Sinopse

"- ...Só que aí você volta, e te amar é tão mais fácil...."

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Eu amo a Miley Cyrus - Capítulo 15

Entenda Miley, não é nada pessoal, são apenas negócios!

Narrado por Miley

Los Angeles, Califórnia, 04:29 AM (Horário Local) Hospital Central de Los Angeles.

Enquanto todo mundo dentro daquela sala ainda tentava absorver as informações dadas pelo médico, pra mim as coisas já estavam mais do que claras... Meu pai, ele ficaria invalido, era isso que ele estava enrolando pra dizer.

– Filha?! – Minha mãe me lançou um olhar de pura aflição e angústia, como se pedindo um tipo de explicação ou quem sabe até querendo aliviar o peso que aquela incerteza da questão que eu tinha levantado trazia. Eu até queria confortá-la, mas nesse momento eu também precisava de consolo.

– A senhorita está sendo muito radical, - Desconversou o medico. Ele que há dois minutos estava falando de fisioterapia e eu que sou a radical agora?! – São apenas possibilidades e como eu disse antes pode ser que seja reversível...

Eu já sentia algumas lágrimas se formando em meus olhos, pouco me importava o que aquele médico estava dizendo, era do meu pai que estávamos falando, Billy Ray Cyrus, eu jamais poderia imaginá-lo preso a uma cadeira de rodas mesmo que fosse só por um tempo.

– Onde ele está agora? – Perguntei em meio a um sussurro ignorando totalmente todos dentro daquela sala e encarando apenas o médico.

Ele olhou em sua prancheta e revirou algumas páginas – Quarto 712, penúltimo andar. Ele acabou de ser levado pra lá.

Trilha sonora: You - Switchfoot 




Não disse mais nada e nem esperei ninguém dizer, só corri o mais rápido que pude. Subi escadas quando as portas dos elevadores não se abriam em menos de segundos, eu só queria vê-lo, eu precisava vê-lo para tentar acalmar um pouco a dor em meu peito, não sei, talvez pelo menos o conforto de saber que ele está bem, que está vivo, fosse fazer eu me sentir melhor.
Finalmente cheguei ao quarto, vi o número na pequena plaqueta na porta, mas quando coloquei a mão sobre a maçaneta uma enfermeira me impediu de continuar.

– Ei, não pode entrar aí mocinha! – Ela agarrou meu braço e eu me soltei imediatamente. Vendo ela que eu iria insistir em entrar no quarto mandou que um dos enfermeiros me tirasse à força de perto da porta.

– Me solta! Ele é meu pai, eu quero vê-lo! – Berrei

– Sinto muito, mas por enquanto só pode observá-lo daqui, - Ela apontou para uma espécie de janela de vidro onde podíamos ver de certa distancia uma cama e nela deitado o meu pai ligado a vários aparelhos - as visitas ainda não estão liberadas! – Senti meus músculos derrepente esmorecerem, assim como as minhas forças, ele deitado ali naquele estado era ainda mais difícil de ver do que eu achava que seria.

“Sempre há algo
No caminho
Sempre há algo
Se interpondo
Mas não sou eu,
É Você”

Corri até o vidro, colocando minhas mãos sobre ele e aproximando meu rosto, tentando ter uma visão pelo menos um pouco mais clara do que estava realmente acontecendo dentro daquele quarto. Eu sabia o que os meus olhos viam, mas também sabia o que eu queria enxergar, meu pai é um homem forte, sempre foi, estava lutando pela sua vida, ele não iria se entregar, nem iria ficar aleijado, eu sei que não.
Afinal ele sempre seria livre como o vento!
“Às vezes a ignorância atrai a verdade
Mas a esperança não está naquilo que sei
Não está em mim...
Isso é tudo o que eu sei
Eu encontro a paz quando
Estou confuso
Encontro esperança quando
Me decepciono
Não em mim, mas em você
Mas em você”



Flash Back On
– Não consigo papai, tenho medo! – Eu tinha exatos seis anos de idade, meu pai estava tentando me ensinar a montar e eu estava completamente apavorada, nunca fui lá muito corajosa mesmo e aquele animal umas cinco vezes maior do que eu se balançando em baixo de mim não estava me passando confiança alguma.
Meu pai apenas sorriu, era engraçado como em todas as lembranças que eu tento buscar em minha memória ele aparece sempre sorrindo. O Cowboy nunca estava triste, bravo ele ficava algumas vezes, mas triste o vi apenas uma vez, quando eu fui embora para a Austrália...
“Você vai mesmo fazer isso Miley?”
“O senhor sabe que sim”
“E você sabe o que eu penso a respeito... Nunca vou concordar!”
Balancei a cabeça um pouco tentando afastar essa amarga lembrança. Nunca vi os olhos do meu pai tão tristes e decepcionados quanto naquele dia, ele nem se quer me abraçou antes da partida... Mas agora eu não queria ficar lembrando essas coisas tristes, até por que agora eu o entendia, ele era o meu pai e me amava, é claro que só queria o melhor pra mim, como sempre quis.
Continuei com os olhos focados através do vidro, no meu pai, e voltei às doces lembranças de ele me ensinando a cavalgar...
– Arriégua! Uma menina assim tão forte e bonita, com medo?! – Ele sorriu pra mim – Eu não consigo acreditar! – Ele montou no cavalo junto comigo, mas não tomou as rédeas da minha mão – Agora apenas guie Smile, siga pra onde você quer ir!

– Mas papai, eu não consig...

– Calma! Eu estou bem aqui, com você, eu sei que você pode fazer isso Smile. – Sorriu – Confio em você colega! – E naquele dia foi a primeira vez que eu guiei um cavalo, sozinha. Bom, na verdade sozinha em termos já que o papai estava comigo. Lembro-me de nós dois termos conversado sobre muitas coisas naquela tarde na nossa fazenda do Tenessi  onde morávamos na época, mas uma coisa ficou gravada em minha memória para sempre.

– É engraçado, o vento parece diferente quando estamos aqui! – Eu me referia a quando estamos montando a cavalo, o vento vindo direto de encontro com a gente é uma sensação indescritível, realmente reconfortante e libertadora, uma das melhores que eu já senti em toda a minha vida.

– É porque esse vento é realmente diferente filha, ele se chama liberdade! – Ele disse olhando para o horizonte – daqui podemos ser livres como o vento! – Ele respirou aquele ar gostoso com cheiro de mato. Eu fiz o mesmo, e naquele instante eu entendi porque o meu pai amava tanto aquilo tudo e acabei percebendo que eu era ainda mais parecida com ele do que eu imaginava.

Flash Back Of

“Espero me perder de mim mesmo se isso me fizer bom
Espero encontrar isso no final
Não em mim
Em Você
Sempre há algo no caminho
Sempre há algo se interpondo
Mas não sou eu,
É Você”

– Vamos lá colega, acorda! Eu preciso de você... – Eu sussurrei, e de alguma forma eu queria que ele pudesse me ouvir.

Narrado por Nicholas

Los Angeles, Califórnia, 04:43 AM (Horário Local) Hospital Central de Los Angeles.

Depois que a Miley saiu em disparada daqui da sala de espera, nós ainda ficamos falando com o medico por mais algum tempo, na verdade a Tish ficou, porque eu não conseguia parar de pensar na besteira que eu havia feito.


Josh se aproximou de mim com cautela, acho que ele era o único aqui que realmente poderia entender como eu estava me sentindo.

– Ei cara, não fica assim não, pelo menos na cirurgia correu tudo bem, daqui a pouco ele acorda e tudo se resolve, você vai ver! – Ele colocou uma mão sobre o meu ombro, eu apenas soltei um suspiro levantando os olhos em sua direção.

– É, mas e se ele... – Mordi os lábios antes de falar, dizem que ficar repetindo esse tipo de coisa faz com que realmente aconteça – Você sabe...

– Não vamos pensar no pior tá legal?! Em todo caso, você fez tudo que podia fazer!

– Não, eu não fiz! – Disse frustrado. Eu havia feito uma promessa, disse a ela que tudo ficaria bem e eu estava falhando, mais uma vez eu a estava deixando na mão. Encarei o chão, nesse exato instante eu me sentia inferior a ele – Ela nunca vai me perdoar, Josh... – lamuriei baixo, acho que ele entendeu que eu me referia a Miley.

O médico passou por nós em silencio, logo Tish veio ate o canto onde estávamos.

– Ele disse que é muito pouco provável que o Billy saia ileso disso tudo – Ela suspirou pesadamente – Ele ainda está dormindo por causa da anestesia da cirurgia, mas vai acordar pela manhã, então saberemos quais são as tais sequelas.

- Tish, eu, eu nem sei o que te dizer... Olha, eu não queria ter causado tudo isso...

- Nick, calma!

- Não, é sério! Você sabe que o Billy é como se fosse um segundo pai pra mim e eu nem sei como isso tudo aconteceu, eu só... Eu sinto muito, muito mesmo!

- Nick, foi só um acidente! Não foi culpa sua, por favor, não fique assim! – Tish estava tentando parecer calma e imparcial, mas eu sei que lá no fundo ela estava sim me responsabilizando e eu não a culpo por isso.

– De qualquer forma eu quero que saiba que eu estou à disposição, sei lá, se você precisar de alguma coisa, de qualquer coisa, seja o que for é só dizer! – Me manifestei e ela me deu um leve sorriso.

– Obrigada Nick, mas por agora não há muito o que fazer, apenas esperar... – Ela voltou ao semblante triste – E rezar para que o pior não aconteça!

Nós três seguimos até o andar que o médico disse que encontraríamos o quarto onde Billy estava. Nos deparamos com a Miley chorando recostada ao vidro da janela do mesmo. Enquanto nos aproximávamos eu pensava no quanto era difícil vê-la desse jeito, as lágrimas molhando seu rosto, eu só queria poder confortá-la de alguma maneira...

*Ignorem o vestido de festa

Paramos bem próximo de onde ela estava e ela nos lançou um breve olhar, sua mãe foi para o seu lado e a abraçou, as duas choraram. Aquilo durou por alguns minutos, mais foi mais tempo do que eu gostaria que durasse, era ainda mais difícil não me sentir um desgraçado presenciando uma cena dessas.

– Nick, daqui a pouco vai amanhecer! – Josh me alertou. Eu não iria segura-lo aqui por mais tempo, apesar de não ser trabalho dele, ele veio assim que eu liguei e me deu assistência em tudo, tinha sido de grande ajuda.

– Eu sei cara, você deve estar cansado, pode ir pra casa descansar! – Dei um tapinha na costa do Josh e sorri pra ele – Eu vou ficar aqui, quero esperar o Billy acordar pra ter certeza de que ele está bem!

– Não Nick, eu não to falando disso, eu to falando das crianças! – Josh disse como se fosse obvio.

– Mas que crianças?? – Eu devo ter feito uma bela cara de desentendido.

– Como assim que crianças?! – Ele me encarou – Seu irmão caçula e suas sobrinhas. Esqueceu que seu irmão Joseph vai deixá-los com você durante o fim de semana?!

– Cara eu esqueci geral! – Exclamei – Também com tudo isso acontecendo como eu ia conseguir lembrar?! – Suspirei frustrado – Acho que não tinha pior hora pra eu ter aceitado tomar conta daquela cambada de pestinhas!

– É, mas agora já é tarde, você já aceitou e o seu irmão já deve estar a caminho daqui com eles!

– Droga! – Balbuciei – Mais essa agora!

Virei-me para a direção onde estavam Tish e Miley, as duas continuavam incansavelmente olhando esperançosas através daquele vidro, acho que elas acompanhavam milimetricamente cada suspiro do Billy. Eu entendia bem isso, eu acho que faria o mesmo se fosse o meu pai.
Na verdade eu tinha um grande carinho pelo Billy Ray, e essa situação também estava sendo muito dura pra mim, isso sem nem falar na Miley, se ela já estava me evitando antes agora que ela nem mais vai olhar na minha cara, o que me leva de volta a estaca zero ou até menos que isso... Acho que de todas as merdas que eu já fiz na vida, essa definitivamente foi a pior delas, bem, talvez só não pior do que ter perdido o amor da Miley.

– Nick, nós temos que ir, se não o Joe vai chegar lá com aquela cambada e vai dar de cara com a casa trancada. – Josh falou. Talvez isso não fosse ser tão ruim, se ele não me achasse em casa levaria as crianças de volta e... - Nick!

– Tá, a gente já vai, deixa só eu falar com a Tish antes! – Eu disse isso e dei alguns passos em direção onde Tish e Miley estavam. Derrepente eu me deparei com a mesma imagem que as duas viam. Num quarto escuro, Billy estava deitado numa cama gélida, ligado a vários aparelhos. Aquilo parecia tão frio, tão gélido tão longe de qualquer esperança que não pude evitar temer ainda mais o pior.

– Tish... – Eu chamei e ela me olhou, Miley também me olhou, mas de uma maneira rancorosa, me senti péssimo com aquilo – Eu er, eu t-tenho que ir agora, Joe, ele, ele disse que viria trazer minhas sobrinhas e o Frankie para passarem o final de semana lá em casa e ele deve estar a caminho de lá, me desculpe! – Acho que eu queria me desculpar até pelo simples fato de estar respirando, já que sentia a culpa pesando sobre minhas costas.

Miley me ignorou completamente e se voltou para o vidro novamente, Tish, por sua vez, veio até mim e me abraçou, eu não sei exatamente por que, mas aquele abraço foi reconfortante.

– Tudo bem, querido! Muito obrigado, por tudo! – Ela sussurrou pra mim. Eu não entendi porque ela estava me agradecendo, eu não estava fazendo mais do que a minha obrigação, afinal foi por minha culpa o Billy estar desse jeito agora – Ah, Nicholas você pode esperar apenas um segundo, eu preciso que me faça um favor! – Ela pediu soltando-me do abraço, apenas assenti rapidamente e ela virou-se para Miley.

– Miles! – Tish chamou-a e ela nos olhou, reparei como uma parte de sua franja caiu sobre seu rosto, mas delicadamente, Tish como se lesse pensamentos a colocou de volta para trás da orelha e fez uma leve caricia no rosto da filha – Você deve estar cansada não é querida?! Por que não vai para casa e descansa um pouco, assim que seu pai acordar eu te ligo...

– NÃO!! – Miley se alterou – Eu não quero ir pra casa, eu vou esperar aqui até ele acordar! – Ela parecia irredutível.

– Filha é melhor você descansar, amanhã, ou melhor, daqui a pouco você vai ter um dia cheio, não está lembrada? – Miley fez uma cara emburrada, tentando rebater a cara de reprovação da Tish.

– Isso não importa! Eu não vou pra casa, não vou deixar o papai! – Ela olhou novamente através do vidro deixando algumas lágrimas rolarem pelo seu rosto.

– Ei, olha pra mim! – Sua mãe a obrigou a encará-la, segurando-a pelo queixo – Você sabe o que o seu pai pensa a respeito do trabalho e sabe que ele não iria concordar com essa atitude sua... A Noah me contou que ele estava muito animado para te acompanhar a gravadora, não vai decepcioná-lo, vai?! – Miley ao que me pareceu ficou sem palavras, sua mãe secou suas lágrimas – Agora vá pra casa e descanse! Tudo que o seu pai quer é que você dê o seu melhor lá! – Ela mostrou um pequeno sorriso para Miley e logo se virou para mim – Nick, poderia fazer o favor de lavá-la pra casa?

– Não é preciso! – Miley cortou-a – Estou no meu carro!

– Mas nem pensar que eu vou deixar você sair daqui naquele carro! – Tish Esbravejou - Você está muito abalada filha, e nervosa demais – Antes que Miley pudesse pensar em protestar, Tish continuou – Não precisamos que mais alguém da nossa família acabe vindo parar aqui! Você sabe muito bem que não está em condições de dirigir!

Miley bufou – Então eu pego um taxi, pronto! – Cruzou os braços sobre o peito.

– Pode deixar que eu a levo sim, Tish! – Me manifestei e a Miley me encarou com raiva, mas eu resolvi ignorar. A Tish tinha razão, ela não estava em condições de dirigir e eu não ia deixá-la pegar um taxi a essa hora, ainda mais sozinha, era arriscado – Faço questão! – Nem deixei a Miley dizer mais nada, a peguei pelo pulso e a arrastei mesmo contra gosto junto comigo. Josh se despediu da Tish rapidamente e nos seguiu.

– Me solta! – Ela se soltou de mim assim que saímos do elevador que nos levaria ao térreo do prédio, onde ficava o estacionamento – Não sou nenhuma criancinha pra precisar que você fique me segurando pelo braço! – É ela não é uma criança, mas adora agir como uma e daquelas bem birrentas!

Josh revezava olhares entre mim e ela, acho que ele deveria se perguntar exatamente o porque de eu ser apaixonado por uma garota que faz questão de me esculachar... A verdade é que nem eu entendo.

– Que seja! – Eu retruquei revirando os olhos. Na maioria das vezes a Miley conseguia me tirar do sério, quer dizer, eu estava tentando fazer um favor, ajudar, e ela fazia questão de ficar me esnobando. A porta do elevador se abriu e Josh foi o primeiro a saltar pra fora, logo em seguida eu saí e aquela garota, acho que só pra irritar, decidiu ficar parada lá feito um dois de paus – Você não vem?! – Perguntei usando os resquícios de paciência que me restavam, ela apenas revirou os olhos dando passos lentos para fora do elevador, a essa velocidade a porta ia acabar fechando antes dela sair!

Caminhamos até o carro do Josh, eu estava sem poder dirigir o meu por causa do acidente. Josh desativou o alarme e abriu a porta, sentando-se no banco do motorista, e eu tentando ser um pouco civilizado com a garota grossa ao meu lado abri a porta de trás e fiz um sinal com a cabeça para que ela entrasse. Juro que se ela não tivesse entrado de “boa vontade” eu mesmo a teria arrastado e enfiado dentro daquele carro.
Estava ficando sério, meu nível de paciência com ela estava crítico, eu precisava urgentemente tomar um café para acalmar meus ânimos!
Já durante a trajetória de carro, Josh e eu começamos a conversar aleatoriamente, eu sempre dava uma olhada, através do retrovisor é claro, na Miley, que passou boa parte do tempo calada no banco de trás.


Ela olhava pela janela de uma maneira tediosa, como se preferisse estar em qualquer outro lugar agora e como se essa viagem estivesse sendo algo torturante para ela. Isso me deixava inquieto porque eu estava sentindo um certo tipo de conforto sabendo que ela estava bem aqui, tão perto, depois de tanto tempo que fiquei longe dela, é engraçado, mas acho que nunca imaginei que nos reencontraríamos de novo ainda mais em uma situação como essa, o destino consegue ser mesmo surpreendente quando quer.
Josh estava tagarelando alguma coisa qualquer sobre o filme, eu até estava prestando atenção no inicio, mas acabei me prendendo em uma das vezes que olhei a Miley através do retrovisor, ela estava realmente diferente, mas era incontestável, definitivamente ela continuava linda, pelo menos ainda era difícil conseguir desviar meus olhos dela na maioria das vezes.

Josh percebendo que acabara falando sozinho resolveu bancar o detetive e descobrir o que eu tanto olhava pelo retrovisor, quando percebeu que era pra Miley ele deu aquele sorriso de quem acha que sabe de tudo.

– Ham... – Josh começou fazendo esse som – Miley, posso te chamar assim não é?! – Ele não esperou ela responder para continuar, é claro que assim que o ouvi pronunciar o nome da Miley eu desviei minha atenção para ele outra vez. Miley fez o mesmo – Desculpe se estou sendo enxerido, eu não costumo ser – Mentira! Ele costuma ser sim! – Mas é que eu tenho uma grande curiosidade quanto a uma questão – Eu estava com um ponto de interrogação no meio da cara, acredito que a Miley também estava – Por que você não aceitou fazer o remake de “Uma linda mulher”? Quer dizer, eu sei que você já fez muitos filmes e é muito famosa, inclusive eu sou um grande fã daquele seu filme com o Justin Bieber, – Revirei os olhos, tinha que começar o puxa-saquismo! – Enfim, sei que não precisaria disso, mas esse remake será um grande sucesso e várias atrizes estavam disputando a tapa o papel o qual você simplesmente recusou então, só me diz por que recusou?

Tive vontade de socar o Josh, ele fez isso de propósito, pra ferrar com a minha vida é claro, a resposta era obvia, claro que a Miley não tinha aceitado fazer o filme por minha causa...

– Na verdade eu nunca recebi um convite para participar do remake desse filme Josh. Não sei nem bem do que se trata, mas garanto que eu não recusei nada, eu sou uma grande fã do primeiro filme, jamais recusaria um convite para participar do remake dele! – Miley explicou seriamente. Josh e eu nos entreolhamos, como assim ela nunca tinha recebido um convite para participar? Scotts a tinha cotado antes do que qualquer outra para o papel principal.

– Não recebeu mesmo um convite, tem certeza? – Acho que Josh quis confirmar

– Absoluta! – Foi tudo que ela respondeu.

Fiz um sinal com a cabeça para o Josh deixar esse assunto de lado, a Miley realmente não parecia saber de muita coisa a respeito do filme de qualquer forma.
Já estávamos entrando em Toluca Lake, logo chegaríamos em nossas casas, ainda bem que Miley e eu ainda éramos vizinhos porque eu mal podia esperar para chegar em casa, eu estava um caco.

– Já vai ficar acordado esperando o senhor Joseph chegar com as crianças, Nick? – Esse cara tava ficando maluco?! Devem ser umas seis horas da manhã ainda, Nick Jonas NUNCA levanta às seis horas da manhã! Chegar em casa esse horário sim, mas levantar... NUNCA!

– Obvio que não! – Retruquei – É cedo ainda, acho que o Joe ainda tem bom senso e só vai me aparecer aqui lá pelas nove! – Na verdade eu estava rezando mesmo para ser lá pelas dez, até meio-dia ainda é de manhã né?! – E Josh eu vou precisar que você me arranje uma babá, uma que seja bem recomendada e que saiba lhe dar com crianças problemáticas, já que a Jenny vem também.

– Nick, eu sou um agente musical! – Disso eu já sabia oh dãã – Você já se tocou que eu não faço a mínima idéia de onde arrumar uma babá?! – Até a Miley que estava em seu poço de silencio no banco de trás riu do que Josh disse, tínhamos chegado em frente a casa dela e o Josh parou o carro, ela desceu.

– E pra quê eu te pago afinal cara?! – Encarei o Josh – Se vira! – Disse isso descendo do carro também, claro que eu iria acompanhar a Miley até a porta. Parei de pé ao lado dela enquanto ela abria o portão.

– O que você pensa que está fazendo aqui? – Ela me encarou irritadiça como sempre.

– Eu disse a sua mãe que te traria pra casa em segurança, então estou só garantindo isso, te levando até a porta! – Usei todo meu charme, vai lá saber, do jeito que a Miley é bipolar, quem sabe ela não me convida para entrar!

Ela revirou os olhos e abriu o portão, nós dois seguimos rumo a porta da frente. Era engraçado olhar para a cara da Miley emburrada ao meu lado já que eu estava acostumado a ela sempre ter um sorriso no rosto toda vez que eu a trazia em casa.

– Joe resolveu deixar a Mell com você?! – Do nada ela fez essa pergunta quando subimos os degraus da varanda, vai ver estávamos progredindo, ela nem me olhava antes.

– É, ela, a Jenny e o Frankie! – Miley me lançou um olhar de pouca confiança.

– A Demi só pode ter perdido o juízo! – Murmurou – Bom, mas se realmente está precisando de uma babá, a Noah tem uma ótima e de quebra é uma “velha amiga” sua! – Ela me lançou um olhar sugestivo e tocou a campainha. Eu não entendi muito bem o que a Miley quis dizer, achei ate que ela podia estar falando de si mesma, mas não era isso.

Alguém veio abrir a porta e então Miley e eu demos de cara com...


– Mandy? – Eu estava bem surpreso em revê-la, fazia algum tempo que eu não via a Mandy.

– É, ela é que é a babá da Noah! – Miley disse e passou pela porta sem nem pedir licença, subindo os degraus da escada rapidamente e sem dizer mais nada... Eu não disse?! Ela é bipolar!

Narrado por Joe

Los Angeles, Califórnia 07:12 AM (Horário Local) Aeroporto LAX.


Eu havia acabado de chegar no LAX, eu vim sozinho já que era uma viagem rápida, apenas para deixar as crianças com o Nick. Mas eu acho que teria sido bem melhor ter deixado a Demi vir trazê-los, já que eles adoram me fazer de gato e sapato!
A Mell chorou durante a viagem toda, Jenny estava de cara emburrada desde que descemos do avião e Frankie... Bom, Frankie estava com seus fones de ouvido, ele não atrapalhava, mas também não ajudava em nada!

– Tá bom amorzinho, para de chorar pro papai poder chamar um taxi pra gente! – Eu pedia inutilmente para aquela bebezinha birrenta. Depois de perder uns vinte minutos tentando acalmá-la, dei um cutucão no Frankie e mandei ele ir chamar um taxi pra nós, quando ele finalmente voltou foi a vez da Jenny ter a crise dela.

– EU NÃO VOU!! – Ela bateu o pé – Não vou para a casa do tio Nick, você mentiu pra mim tio Joe, disse que iríamos para um acampamento, você é um mentiroso!

– Olha só Jenny, quem sabe se você pedir do seu tio Nick com jeitinho, ele não te mande para um acampamento! – De preferência um no Alasca!

– Só que você mentiu pra mim! – Ela me encarou – E isso não se faz! – Deu um chute na minha canela e olha que aquela coisinha tinha um bom chute viu, agora que o Ronaldinho Gaúcho saiu do Flamengo quem sabe não contratam ela!

– Por que a gente não larga essa fedelha aqui no aeroporto e vai embora sem ela, Joe?! – Frankie disse entediado, eu tava começando a achar essa uma ótima sugestão – Não vai fazer falta pra ninguém!

– Cala boca seu cabeçudo! – Ela berrou para o Frankie

– Cabeçuda é você! – Ele retrucou – Sua cabeça é tão grande que vão instalar um satélite nela!

– E a sua é tão grande que você usa boné do mesmo tamanho que os pára-quedas! – A pirralha era boa até nisso!

– A sua é tão grande que tem dois andares!

– E a sua é tão grande que em 2020 quando o planeta terra se explodir em um milhão de pedacinhos vai toda a população se mudar pra sua cabeça e gerar uma nova civilização, a civilização dos moradores do cabeção enorme do Frankie! – Tá, com essa eu tive que apartar a briga...

– Ok, parou, acabou! – Eu me meti no meio da discussão dos dois – Ninguém vai largar ninguém aqui – Encarei o Frankie – E ninguém vai se mudar para a cabeça de ninguém também! – Encarei a Jenny. Ta certo, eu não ia muito com a cara dessa fedelha, mas não podia negar depois disso, ela realmente era minha parente! – Agora vamos logo pra casa do Nick porque eu preciso voltar pra viajar com a Demi ainda hoje!

– Mas e o meu acampamento?! – Jenny choramingou

– A gente vai ter que deixar para uma outra vez, Jenny! Agora vamos! – Eu a agarrei pela cintura, carregando-a e saí andando mais depressa, eu estava com a Mell no colo também então já deu pra imaginar o quanto eu queria chegar logo ao taxi, né?!
Coloquei a Jenny no banco de trás e o Frankie entrou pelo outro lado, ajeitei a Mell na cadeirinha dela e pronto, agora era só seguir caminho até a casa do Nick.

– Pra onde moço? – perguntou o taxista.

– Pra Toluca Lake, senhor!

Narrado por Liam

Los Angeles, Califórnia, 09:02 AM (Horário Local) Estúdio da Hollywood Records.
Eu estava sentado em uma poltrona toda de couro tomando uma taça de um dos meus drinks preferidos, Delta estava comigo, parecia bastante animada. Pra ser mais exato estávamos dentro de uma cabine oculta, tudo que tínhamos a nossa frente era uma grande janela de vidro, mas pra quem estava do lado de fora aquilo não passava de um espelho comum, bom, aparentemente. Estávamos ali pra assistir de camarote uma das maiores cantoras da atualidade ser um grande fiasco e acabar de afundar sua carreira de uma vez, isso talvez explique a felicidade da Delta, e é claro a minha satisfação pessoal.

– Mal posso esperar para que o “Show” comece! – A loira falou tirando a azeitona do meu drink e comendo diretamente do palito – Você sabe que eu adoro música né?! Mas eu adoro ainda mais tudo que o dinheiro pode fazer! – Ela sentou-se na cadeira ao meu lado rindo com as paredes, também sorri.

– Somos dois então! – Comentei baixo, eu nunca gostei de ser tão espalhafatoso quanto Delta era, digamos que eu me orgulhava por ser um homem discreto.

Alguém entrou na porta, era um careca de terno, o Marco, braço direito de um dos homens mais influentes no ramo da música nos dias atuais, claro que eu estou falando de Davon Malone, ex vocalista de uma das maiores bandas que já existiu em todo mundo, Zero Gravity, e hoje um produtor musical multimilionário, dono da maioria das ações da Hollywood Records.
Deixe-me esclarecer um pouco mais, Davon ganhou milhões sem nem mesmo mover um dedo, apenas lançando em sua gravadora os artistas mais famosos que o mundo conhece nos dias de hoje. Rihanna, Justin Bieber, Katy Perry, Lady Gaga entre outras celebridades são todos grandes achados do Davon, dizem que ele tem “O olho” um apelido tosco para uma maneira de saber se o artista vai realmente fazer sucesso ou não, eu chamo isso de sorte! Voltando ao que nos interessa nessa história toda, acho que devo explicar que tudo no ramo da música trata-se de investimentos e negócios, é claro que existe o fator “talento”, mas ele é muito pouco considerado se equiparado ao que faz o nosso mundo girar vulgo dinheiro.

Davon e eu somos homens de negócios, por isso tanto ele quanto eu sabemos como conseguir o que queremos. Eu queria que “alguém” perdesse um contrato e estava disposto a pagar um alto preço por isso, ele tem milhões de artistas lhe trazendo rentabilidade, e manter o contrato com uma que não apresentava nada novo a mais de um ano não lhe interessava muito, então digamos que o negocio seria lucruozo para ambos os lados...

– Com licença senhor Hemsworth, o senhor Malone mandou lhe avisar que a reunião com a cantora em questão acaba de ser encerrada, agora ela já está vindo para o estúdio para se apresentar ao vivo para o senhor Malone, e claro, para vocês! – Marco disse e eu não consegui esconder a minha satisfação.

– Perfeito, estou ansioso por isso! – Eu disse e Marco se retirou da cabine deixando Delta e eu a sós novamente.

As luzes do estúdio se acenderam e eu pude ver quando “ela” passou pela porta, trazendo consigo um violão. Então ela caminhou até um pequeno banco posicionado bem próximo a um microfone e se sentou, a porta do estúdio foi fechada.
Do outro lado da sala também havia um vidro, mas esse não era escondido, era de onde dava pra ver os mixers trabalhando na voz do cantor e também na música, e claro, Davon, pomposo, em toda a sua glória também estava ali, ele assistiria ao “show” dali.

Em um gesto que foi logo reconhecido por mim ele levantou a taça de um drink qualquer em um cumprimento, me dando o sinal de que ele já sabia que eu estava esperando que fosse dado inicio a tudo. Isso só me faz pensar que os pobres e iludidos artistas acham que o seu futuro ainda não está decidido antes que a luz verde da plaqueta escrito “gravando” se acenda, quando na verdade tudo já foi mais do que esquematizado, quer dizer, não importava a desenvoltura que a bela mulher a minha frente tivesse ali, não importava se ela fosse realmente boa, ela perderia o seu contrato de qualquer jeito. É eu realmente adorava tudo o que o dinheiro podia fazer!

– Tudo bem Miley, você já conhece o esquema, a luz verde da plaqueta gravando vai acender e você pode começar a cantar! – Um dos empregados do Davon falou ao microfone e Miley apenas assentiu. Delta abriu o maior sorriso e apertou meu braço na expectativa, já eu não conseguia desviar meus olhos.

A luz verde da plaqueta em fim acendeu e Miley aproximou os lábios do microfone.


– Essa música é de minha autoria e se chama Givin you up! – Foi tudo que ela disse antes de dar os primeiros acordes, a música iniciou bem tranquila, Miley apenas soltou toda a sua capacidade vocal no refrão da musica e na parte final é claro, típico da Miley.

Tudo estava indo bem, na verdade bem até demais, eu achava que a Miley estaria enferrujada já que estava parada a mais de um ano, mas me surpreendi com ela, se não fosse ser tão conveniente pra mim eu até me sentiria culpado por privá-la do contrato.
Só que surpreendentemente tanto pra mim quanto para todos ali, creio eu, a Miley não conseguiu aguentar o grito mais forte da música, sua voz falhou. Isso a deixou muito nervosa e ela não conseguiu mais cantar. Isso tinha saído melhor do que a encomenda!

Davon pareceu o mais surpreso com o ocorrido.

– Desculpe-me, será que posso recomeçar?! – Miley perguntou aflita, Davon sinalizou um não com a cabeça e pediu para que ela fosse conversar com ele a sós.

Eu acompanhava atento cada movimento da Miley ao deixar o estúdio. Ela parecia arrasada e isso era difícil de ver, mas foi assim que eu me senti quando ela simplesmente decidiu que daria uma segunda chance ao Jonas daquela vez e agora quando ela simplesmente resolveu adiar o nosso casamento só por causa da porcaria de família dela... Eu a faria se sentir do mesmo jeito, talvez até pior!

– Nossa, isso foi... Péssimo! – Delta disse dando seu parecer, que ninguém havia pedido – No fim das contas você nem precisava ter gasto aquele dinheiro todo para o Davon não renovar o contrato com ela, acho que depois disso ele não renovaria de qualquer jeito!

Levantei-me e peguei meu casaco.

– Vamos embora, o show já terminou, não temos mais nada para fazer aqui! – Eu estava me sentindo incomodado, eu não entendia muito bem por que afinal tudo tinha dado certo, não, foi melhor do que isso, a própria Miley falhou então tinha sido uma jogada de mestre e eu deveria estar satisfeito, mas eu simplesmente não estava.

– Liam, me responde uma coisa? – Delta se aproximou de mim me ajudando a abotoar meu casaco – Mas seja sincero, finge que você sabe o que é isso! – Ela me encarou risonha com o seu gracejo – O que é tudo isso afinal? Digo você realmente sente alguma coisa por aquela garota ou esse seu relacionamento com ela é só uma espécie de vingança sua, porque o que você faz com ela às vezes chega a ser cruel! – Ela continuou me olhando de uma forma como se tentasse enxergar a verdade dentro dos meus olhos, coitada! Não sabe que isso não existe em mim.

Por um instante eu me lembrei de Miley há poucos minutos, juntando suas coisas e saindo daquele estúdio, triste. É, talvez eu estivesse sendo cruel, mas e ela? Ela também não foi comigo?! Eu amo a Miley, mas ela precisa pagar pela dor que me causou, ela precisa aprender sua lição, entender que sem mim ela jamais vai conseguir nada, jamais vai ser nada, que ao meu lado é o lugar dela, o único lugar onde ela poderá finalmente ser feliz!

– Delta! – Segurei seu queixo e olhei dentro de seus olhos – Não me venha com essa de piedade porque taí uma coisa que você não é, e nós dois sabemos disso! – Sorri – Existe um ditado que diz que aqui você faz, aqui você paga, então só digamos que a Miley está recebendo de volta toda a dor e sofrimento que ela já causou a alguém, e isso está só começando!

– E o que realmente você pretende destruindo a vida dela Liam? Isso não vai fazê-la amar você!

– E quem aqui está falando de amor? – Fiz uma pequena pausa – Eu to pouco me lixando pra isso a única coisa que eu quero e não importa o que eu tenha que fazer pra conseguir é a Miley ser minha! – Eu estava apertando os braços de Delta com força. Eu desejava a Miley, eu a queria, eu ficaria com ela no final.

– Liam, você está me machucando! – Eu a soltei e me afastei dela alguns passos – Tenho até medo quando você fica desse jeito!

– É pra ter mesmo! – Eu disse saindo da cabine e caminhando por um corredor que me levaria para fora da gravadora.

Narrado por Miley

Eu estava na sala do Davon a pelo menos meia hora, ótimo ele estava me dando um chá de cadeira. Eu sabia que tinha ido mal lá no estúdio, mas eu estava nervosa e preocupada, se eu tivesse uma outra chance eu tenho certeza que conseguiria. Fui tirada de meus pensamentos com a porta batendo, era Davon quem entrava na sua sala.
Ele caminhou até sua suntuosa cadeira de couro colocada bem atrás da mesa a minha frente, onde havia uma plaqueta dourada escrito “Presidente”. Ele me encarou e sorriu.

– Miley Cyrus, minha doce e linda Hannah Montana! Sinto falta dessa época sabe, você me rendia muito, mais muito dinheiro mesmo! – Ele parecia lembrar-se da época – Bons tempos aqueles!

– Davon, vamos pular essa conversa fiada e se não for pedir muito, vamos logo ao que interessa! – O encarei – Você vai ou não vai prorrogar o meu contrato com a Hollywood Records? - Eu já tinha trabalhado com o Davon antes, sabia que ele era curto e grosso quando precisava ser, mas ele estava tentando escolher as palavras e isso talvez fosse um bom sinal.

– Miley, eu devo dizer que você me surpreendeu lá no estúdio hoje! – Eu sorri, mas ele continuou sério – Infelizmente, você me surpreendeu de uma forma ruim. Quer dizer, eu esperava bem mais de você, sinto muito, mas não posso renovar seu contrato!

– Davon, eu estava nervosa, eu tenho passado por momentos difíceis, se você me desse mais uma chance, sei lá, talvez eu possa cantar uma outra música!

– E isso não faria a menor diferença! Miley, eu nunca escondi o jogo pra nem um artista aqui antes, você sabe muito bem disso! O seu talento é indiscutível, mas você, bom você não é uma mercadoria vendável agora, entende?! – Ele me olhou mais uma vez e suspirou – Eu sei sobre o divorcio dos seus pais, sei que deve estar sendo difícil, mas acontece que nesse mundo Miley, não temos espaço pra isso, quando você sobe em cima do palco as pessoas esperam que de o seu melhor, o que você diria a elas se isso que aconteceu lá no estúdio tivesse acontecido em um show seu?! Seria algo do tipo: “Ah galera, me desculpe, mas eu estou com problemas familiares hoje” Ham? – Ele fez uma pequena pausa, embora eu detestasse admitir ele tinha toda a razão. Mas eu jamais poderia aceitar numa boa a idéia de que eu estava perdendo tudo que eu lutei tanto, a minha vida toda pra conseguir – E tem mais, você melhor do que ninguém sabe que nem sempre é o talento que conta nesse ramo Miley. Eu não estou querendo ser critico, mas o seu rítimo, as suas musicas, você mesma... Está tudo ultrapassado, as pessoas querem coisas mais ousadas, inovadoras!

– Davon, eu sou boa! – Bati minhas mãos em sua mesa – Você sabe disso, eu trabalho duro! Escrevo minhas próprias músicas, faço todos os meus shows ao vivo, quantas das suas cantoras podem dizer o mesmo?!Isso não é justo!

– A vida não é justa minha querida, se fosse a Nicki Minaj e a Lady Gaga estariam em algum circo trabalhando como aberrações da natureza e o Bieber e a namorada cabeçuda, a tal da Gomez, não estariam sendo considerados um dos casais mais influentes do mundo, levando em conta que o pobre rapaz não sabe nem como abrir uma porta, coitado, mas fazer o que, as pessoas gostam deles e eles vendem CD, não posso puni-los por serem canastrões! – Ele estava tentando desconversando

– Davon, eu já rendi milhões pra essa gravadora! – O encarei – Você não pode simplesmente me chutar assim como se eu fosse insignificante!

– Entenda Miley, não é nada pessoal, são apenas negócios! – Ele disse com alguma sensibilidade – Eu lamento!

– Quer saber, que se dane! – Eu levantei da cadeira - Eu sou Miley Cyrus qualquer gravadora dessa cidade moveria céus e terra pra fechar um contrato comigo! – O encarei – Então, eu também lamento Malone, por você! – Saí da sala dele pisando forte.

Talvez eu tivesse cometido um grande erro tendo dito essas coisas nas fuças do Davon, mas é que eu me senti praticamente jogada fora como algo que não serve mais! Quando ele me ligou ontem eu achei que era uma coisa boa, achei que ele iria querer ver minhas novas músicas e até me empolguei com a possibilidade de um novo CD, quem sabe uma turnê, mas era apenas mais uma coisa dando errado na minha droga de vida. Davon precisaria apenas de um telefonema para acabar com a carreira de qualquer um, vi artistas passarem de “consagrados” a completos “anônimos” só por causa da influencia que ele tem nesse meio, isso como se já não fosse ruim o suficiente ter que carregar a carga de ter tido um contrato rompido com a Hollywood Records, eu fui realmente muito ousada na minha ultima frase já que nem de graça uma outra gravadora me contrataria nessas condições!
Caminhei até o meu carro vagarosamente, ainda pensando em como eu queria que isso tudo que eu estou passando fosse só um pesadelo do qual eu iria acordar a qualquer hora. Mas olhando pelo lado positivo as coisas, tudo já estava tão ruim que quais seriam as chances de piorar?!

Senti meu celular vibrar no meu bolso, eu tinha criado o habito de deixá-lo no silencioso já que ultimamente até a campainha dele me irritava. Olhei no visor, era a minha mãe. Atendi prontamente



Ligação On

– Alo, mãe?! – Atendi – Tem novidades sobre o papai?

– FILHA!! – Ela parecia estar chorando, mas era meio estranho porque ela também parecia animada – Miles, seu pai acaba de acordar!

Continua...

N/A: Espero que estejam curtindo a fic! Obrigado anônimos pelos comentários mas eu gostaria que vocês colocassem seus nomes pra que eu pudesse conhece-los, ok?!

Bjssssss


15 comentários:

  1. Está perfeito como sempre.
    Coitada da Miley. As coisas estão péssimas pro lado dela. E o Liam, como sempre, é um idiota.
    Posta logoo!!
    Bjos!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, a Miles tá mesmo é precisando tomar um banho de sal grosso, isso sim!
      Liam ESTUPIDO!!!
      Postado!
      Bjsss

      Excluir
  2. Adorei o que vc escreveu da selena, ela é mesmo cabeçuda, hahah.
    Tomara que a má fase da Miley termine logo e que ela fique com o Nick.
    POSTA LOGO!!!! Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. #ModoheaterdaselenaON
      Vai terminar sim, não se preocupe, lembre-se que nada dura para sempre, nem as coisas ruins!
      Postado!
      Bjssss

      Excluir
  3. aaahh lá vem o australiano babaca pra estragar as coisas de novo... mas como sempre: otimo capitulo, amy. posta logo por favor. estou cada vez mais ansiosa pra saber o desenrolar dessa fic *-*
    by: -l.e

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele pode até tentar, mas não vai estragar nada...bom, eu acho KKK
      Postado *-*
      Bjssss

      Excluir
  4. CONTINUA!! Morrendo aqui.
    Ficou sabendo que hoje foi divulgado que Miam acabou o noivado mesmo? E que o Liã foi visto com uma garota misteriosa na festa. Parece que alguém anda traindo a Miley kkkkkkkkkk
    Posta logo hein
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu fiquei sabendo sim! Fiquei até feliz mas aí o Nick resolveu aparecer com namorada nova... Ai que raiva desses desencontros, viu!
      Postado!
      Bjsss

      Excluir
  5. Como vc disse que queria reconhecer os anonimos rsrsrsrsrs é q eu ñ tenho conta no blogger e fica dificil comentar, mas eu sempre leio e geralmente comento em anonimo
    ahhhhhhhhhhhhhhh odeio a delta e o liam q raiva deles deus do ceu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ok, obrigada por se identificar!
      Eu sei que vc é uma das minhas leitoras que mais comenta e eu agradeço por isso!
      P.S Também odeio os dois
      Postado!
      Bjsssss

      Excluir
  6. eu sei q pediu para não comentar mto em anonimo e sim na conta para tu saber qm é, mas é q é complicado e tal então eu prefiro postar em anonimo mesmo, mas vou começar a asinar os coments beijocas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ok Mari! Obrigada por se identificar!
      Postado!
      Bjssss

      Excluir
  7. Se já não bastasse o meu ódio mortal pelo Liam real, o Liam da fic está aprontando todas com a Miles. Cara, você não imagina a vontade que tenho de bater nesse cara! Kkkkkkkkk
    Tadinha da Miley, né? :/ E o pior que isso deve acontecer com vários artistas de verdade. Esses donos de gravadora esquecem que a música é uma arte linda e só vê como um produto...
    Posta logo, hein! To doida pra ler o capítulo 20 *-*
    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. pois é, ele na vida real também me decepcionou olha...
      Por isso que eu sempre preferi o Nick! kkkkkk
      Postado!
      Bjssss

      Excluir
  8. A sel n e cabecuda kk ass.fati

    ResponderExcluir