Sinopse

"- ...Só que aí você volta, e te amar é tão mais fácil...."

segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Eu amo a Miley Cyrus - Capítulo 20: Parte I

Me dei conta do amor absurdo que eu sinto por essa garota...

Narrado por Liam
Los Angeles, Califórnia, 23:06 (Horas atrás) Biltmore Hotel.

– Nossa, mas o que aconteceu?! Passou um furacão por aqui?! – Delta perguntou assim que entrou em meu quarto. Eu havia quebrado tudo, estava furioso, com ódio de tudo e de todos; Miley havia me deixado e eu não conseguia aceitar... Como fui deixar isso acontecer?! – Liam? Tá tudo bem?!
Eu não respondi nada a ela, apenas enchi o copo de conhaque e apedrei na parede a garrafa já quase vazia, fazendo com que o líquido escorresse pela parede branca e o cheiro de álcool infestasse todo o quarto. Levantei-me da cama onde estava sentado e fui pra varanda do quarto.
– King, o que tá acontecendo?! – Delta veio atrás de mim. A cada vez que eu ouvia a sua voz uma espécie de ódio tomava conta de mim. Ela era a culpada por isso estar acontecendo, era culpada por eu ter perdido a Miley! – Seu irmão me ligou, disse que você ia voltar pra Austrália ainda hoje... Eu não entendi mais nada. Você não disse que ficaria aqui até conseguir convencer a sua vadiazinha a voltar pra lá com você?!
– Cala boca Delta! – Murmurei, tomando uma golada da minha bebida.
– O que foi?! Você sabe bem a noiva que tem, e ela não passa de uma vadiazinha! – Delta revirou os olhos. Enfurecido, larguei o copo e avancei na Delta, dando-lhe um tapa que a fez cair no chão. – O que foi que te deu heim?! Ficou doido de vez, seu escroto?! – Ela levantou-se me encarando e esfregando o rosto. Eu me segurei, não podia bater mais nela, nem deveria ter feito isso... – Pera aí, você, você tá chorando? – Virei-me de costas rapidamente, limpando algumas lágrimas que se formavam em meus olhos. Eu não costumava chorar, a última vez que me lembro de ter chorado foi no dia em que meu pai morreu isso há alguns anos, eu era só um garoto. Esse era o efeito que a Miley tinha sobre mim. Eu a amava demais, mais do que a mim mesmo, não conseguia me conformar em ela simplesmente ter me deixado e saído assim da minha vida – Não acredito que você tá chorando... e é por causa dela?! O quê que foi?! Virou bichinha agora, vai ficar chorando por causa de mulher?!
Novamente não disse nada e voltei para dentro do quarto. Separei minhas malas e liguei para o serviço de quarto pedindo a minha conta, eu tinha que ir para o aeroporto ou perderia o voo e se isso acontecesse o próprio Chris viria bater aqui pela manhã, eu sei, eu conheço o irmão que tenho.
– E aí, o que foi dessa vez?! Ela te deixou... de novo?! – Ela parou a minha frente de braços cruzados – E foi por causa do quê dessa vez?! Ham?! Ah não, nem precisa me dizer, eu vou adivinhar... Ela decidiu voltar pro Jonas, não é?! – A Delta se achava muito esperta. Ela estava brincando com a minha cara e eu não iria aturar isso dessa vadia – Liam será que você não cansa de...
- Cala boca! – Vociferei, já não conseguindo conter a raiva – Cala boca, sua vadia! – Segurei-a pelo pulso, apertando, de uma forma que deixaria marcas com certeza – Olha aqui Delta, eu nem vou comentar essa merda que você falou porque eu não to com cabeça e nem quero acabar enfiando a mão na tua cara outra vez – Encarei-a – A Miley pode até ter me deixado, mas voltar pra aquele imbecil isso eu não ia deixar nunca!
- Ham... Então ela te deixou mesmo?! – Mesmo não estando numa situação muito favorável, a Delta continuava com seu ar de deboche.
- Eu não te devo satisfações, Delta! – Falei olhando no fundo daqueles olhos azuis dissimulados – Ah, e só pra deixar bem claro, eu não quero que haja mais nada entre nós. Eu tenho nojo de você, sua piranha! Eu não quero mais ter que olhar pra essa tua cara, não quero que me ligue e nem que me procure, entendeu bem?!
- O quê?!
- É isso mesmo que você ouviu, quero você FORA da minha vida, por sua causa eu já tive perdas o suficiente! – Delta ficou estática e engoliu seco.
Eu a soltei.
– Liam, isso é algum tipo de brincadeira não é?! Você só tá brincando né?! Quer dizer, nós temos... – Interrompi, rindo. A Delta estava com uma careta assustada, mas mesmo assim me acompanhou na risada.
- Delta, nós nunca tivemos nada! – Falei e ri ainda mais alto – Nem nunca existiu esse “nós” – Ri ainda mais. A careta de Delta voltou e ainda pior dessa vez – Foi só... diversão! E não negue, foi só isso pra nós dois. Agora, por favor, dá o fora daqui!
- Como é?! Agora você quer que eu vá embora?! – Esperneou. Típico da Delta! – Ah não, a gente tem muita coisa pra conversar antes de eu ir embora!
Na mesma hora eu ouvi batidas na porta, acho que era o rapaz que veio pegar minhas malas.
- Desculpe, mas eu estou de saída agora e não acho que precisemos realmente conversar, você me conhece Delta, sabe do que sou capaz e não creio que vá querer fazer algo de que vá se arrepender mais pra frente, se é que me entende! – Olhei-a e caminhei até a porta para abri-la. O rapaz entrou e eu apontei minhas malas.
Contrariada e inconformada Delta deixou a minha suíte antes do mesmo empregado do hotel sair com as minhas coisas, e nem tchau ela me disse.
Eu já deveria ter feito isso há muito tempo, deveria ter dado um fim no meu caso com a Delta antes de ter chagado ao ponto que chegou, antes da Miley ter descoberto... Agora será ainda mais difícil, além de tudo vou ter que reconquistar a confiança da minha noiva. Mas de qualquer forma eu tenho planos. Assim que eu terminar o que o incompetente do meu irmão quer que eu faça por ele eu vou fazer de tudo para ter a Miley de volta. Se eu não tivesse sido tão descuidado não a teria perdido e se tivesse me livrado da Delta quando deveria, teria evitado muitos problemas!
Narrado por Josh
Los Angeles, Califórnia, 00:47 AM (Horário Local) Estacionamento da mansão de Anna Oliver.

Cruuéel!... É isso que essa garota é, ela é Cruuéel! (N/A: Quem assiste Drake e Josh entendeu)
Como ela faz isso comigo?! O Nick vai me matar...
Olhei tristemente para o local onde antes estava o meu carro e passei a mão pelo meu cabelo em um movimento frustrado.
Como fui deixar isso acontecer?!
Avistei uma moto se aproximando de onde eu estava. Estranhamente, o motorista era o Nick. Eu até perguntaria o que ele estava fazendo montado naquilo se ele não tivesse sido mais rápido...
– Josh, o que aconteceu? Cadê o carro? Cadê a Miley?! – Acho que ao dar mais uma olhada ao redor e ver que não havia nada mais aqui além de mim sozinho e com cara de bocó que foi passado pra trás e presumir que um carro e uma garota louca não caberiam nos meus bolsos, ele mesmo achou as respostas para as suas perguntas...
Tive certeza disso quando ele bufou.
Nunca achei que o Nick fosse lá a pessoa mais paciente do mundo, mas ele estava prestes a explodir e eu não queria ser aquele que cataria os pedaços. Miley não deveria estar tão longe assim ainda, mas vai saber, aquela garota é completamente louca! Vai ver ela pisou fundo e há essa hora já está a caminho de Vegas, eu não duvidaria!
– Me diz só uma coisa Josh, - Nick posou os olhos sobre mim, visivelmente irritado – como você deixou uma garota, e não, uma garota bêbada, totalmente fora do seu juízo perfeito, fugir de você e ainda por cima no seu carro! Você está conseguindo me provar que é mais incompetente do que eu imaginava! – Reclamou
Eu bufei, mas me controlei. Nick não sabia o que havia acontecido e pro meu próprio bem era melhor continuar assim!
– Foi mal, cara! – Murmurei baixo e ele, impaciente, me arremeçou um capacete e foi logo montando na moto novamente.
– Sobe aí, vamos atrás dela antes que ela consiga se meter em mais confusão! – Eu montei na moto um tanto inseguro e Nick pisou fundo.
Durante o percurso eu não conseguia parar de pensar no que tinha acontecido comigo e a maluca da Miley antes do Nick voltar do estacionamento...

Flash Back On

O Nick tinha ficado todo irritadinho só porque a Miley disse na cara dele que ele estava com ciúmes, o que era a mais pura verdade, mas orgulhoso do jeito que ele é claro que não iria admitir assim tão facilmente. Então, para fugir dela ele foi pro estacionamento e me deixou encarregado de vigiar a garota.
Agora vejam só, eu que não tinha nada haver com o rolo deles estava bem aqui no fim do mundo vigiando uma ex namorada maluca e bêbada como se eu não tivesse nada melhor pra fazer da minha vida... E bem na hora do meu seriado preferido! Se eu fosse anotar na ponta do lápis tudo que eu faço pra ajudar o Nick, ia faltar papel no mundo!
A pior parte é que aquele mal agradecido nem ao menos reconhece ou me paga um salário descente!
– Tá tão quente! – Acho que ouvi a garota cochichar
– O que disse Miley?– Eu me virei para fitar a garota ao meu lado e minha boca se abriu num perfeito O. Miley estava vermelha e pingando de tão suada, ela tentava se abanar, mas isso não parecia melhorar em nada a sua situação.
– Sou só eu ou tá quente demais aqui?! – Ela vociferou começando a se abanar mais – MEU DEUS, QUE CALOR É ESSE?! Parece que eu to pegando fogo! – Sussurrou a última parte.
Ela colocou a mão sobre o fecho do espartilho que ela usava, ele abria na frente.
Pera aí, ela abriria na minha frente?!
– Por favor, senhorita, acho, acho que é melhor não fazer isso! – Falei num sussurro.
Tenho que ser honesto: Uma pequena parte de mim queria que ela fizesse isso, só um pouquinho, não dá pra negar que a garota é um pedaço de mau caminho daqueles! Já a outra parte estava morrendo de medo da reação que o meu até então “amigo” teria se visse a ex, pela qual ele ainda é caidinho, quase que fazendo um streeptease particular pra mim...
– JOSH!! – A garota do nada se atirou pra cima de mim – Me ajuda! Apaga Josh, APAGA O MEU FOGO!! – Ela enrolou a minha gravata no pulso, me arrastando pra mais perto dela. Eu engoli seco. Ela emanava calor...
Caramba, agora eu entendo por que o Nick é louco por ela, essa mulher é um vulcão!!
– Olha Miley, acho melhor a gente parar...  Eu sei que eu sou irresistível, mas o Nick é meu amigo sabe... Não que você não seja uma tremenda gata, porque, com todo respeito, você é, mas você me entende né, eu, eu trabalho com ele, e uma rivalidade entre nós dois não ia ficar legal...
– Ahhhhhhh! – Ela deixou a cabeça pender para trás soltando um gemido agudo. Passou a mão pelo meu peito e me olhou provocante, senti uma gota de suor escorrer pelo meu rosto e logo limpei com o meu lenço que, convenientemente, sempre trago comigo. – Josh, eu preciso... Eu preciso! – Ela estava ofegante, eu também estava.
Também estava morrendo de medo que um certo pedaço de mim, bem lá em baixo, acabasse se animando com o que não me pertence!
– Ah meu Deus, como é que eu sempre acabo me metendo nesse tipo de situação?! – Murmurei pra mim mesmo – Miley, na boa, vamos parar por aqui, né?! - A garota bem desinibida veio com sua pequena mãozinha em uma direção bem perigosa – Cuidado aí, minha filha! – Exclamei preocupado, mas suspirei aliviado quando a vi colocar a mão sobre a maçaneta da porta do carro.
Até então eu nem tinha reparado que estava recostado sobre a porta do carro.
– Eu preciso... de um ar-condicionado!! – Ela me afastou um pouco para o lado e abriu a porta do carro. Sentou-se na cadeira do motorista e ligou o carro, a principio fiquei em alerta, mas logo vi ela pressionar o botão do ar-condicionado, como ela disse – Ah como isso é bom! – Balbuciou ao sentir o ar frio contra sua pele.
Foi bem aí que as coisas começaram a ficar, er, digamos... “Realmente Perigosas”.
Miley fechou a porta do carro e antes que eu pensasse em protestar ela começou a tirar a roupa lá dentro, bem, ou pelo menos o que restava da roupa...
Começou tirando uma pequena jaqueta de lantejoulas douradas, deixando seus ombros à mostra. Em seguida colocou as mãos sobre o espartilho novamente e meu coração acelerou, mas antes de continuar ela decidiu me torturar um pouco mais prendendo os cabelos em um coque. Acho que devo mencionar que eu não estava acostumado a cenas tão sensuais assim, sempre fui um menino recatado.
Relutando um pouco contra o meu eu, masculino, machão, virei de costas. Eu estava me sentindo mal por ficar olhando a garota, ainda mais por que ela era a garota do Nick, quer dizer, ela não era mais a garota dele de verdade, mas ele bem que queria que fosse então... Tá, isso não vem ao caso agora, só digamos que ela também não estava lá numa posição muito decente e eu não, ah... eu prefiro não comentar, só digamos que eu ter me virado de costas foi a decisão mais sensata que já tomei na vida!
Não vou negar que eu ficava me perguntando a cada dois segundos se ela já teria desatado o fecho do espartilho, e uma ou duas vezes, quase não consegui controlar a vontade de me virar e dar uma olhadinha, tipo assim, de canto de olho. Eu não sei direito como aconteceu, pois como eu já disse, eu me virei de costas para o carro, apenas quando me voltei para dar uma olhadela, deparei-me com ela dando a partida e logo em seguida engatando a ré. Miley fez uma pequena curva indo direto na estrada e eu fiquei tão em estado de choque que não consegui fazer nada durante alguns segundos...
– ÔH NICK!! – Berrei quando em fim consegui recobrar o meu juízo.
Flash Back Of
Ainda demorou um pouco para alcançarmos a Miley, mas essa era uma estrada sem desvios e em algum ponto nós conseguimos encontra-la. É claro que ela estava um pouco a nossa frente, mas vamos falar sério aqui: O meu carro é um modelo antigo de Sedan, acostumado com o péssimo trafego de Los Angeles, não tinha nem comparação com a máquina em que Nick e eu estávamos... a alçaríamos dentro de um segundo.
Nick buzinou pra garota tentando chamar sua atenção. Ela baixou o vidro do lado da janela do motorista e quando eu achei que falaria conosco, ela apenas colocou a mão pro lado de fora nos mostrando, em um gesto bem tosco, o dedo do meio, então pisou ainda mais fundo.
– Tá bom, agora já chega! Essa garota tá ultrapassando todos os limites! – Nick vociferou e acelerou ainda mais para acompanhá-la
– E nós também, né! – Falei me tremendo todo, não sei se por causa da velocidade ou do medo.
– Se segura Josh, eu já sei o que fazer!
– O que você vai fazer?!
– Ela não quer brincar de pegar? Então vamos brincar de pegar! – Sem me dar mais nenhuma satisfação, Nick acelerou muito ultrapassando totalmente o carro da Miley. Depois entrou na mesma mão que ela vinha dirigindo provavelmente com o intuito de parar na frente de dela e por consequência, fazê-la parar para não nos atropelar... É, até que esse era um bom plano, mas ele esqueceu um detalhezinho assim bem pequenininho...
A MILEY É LOUCA!
Ela não pensaria nem duas vezes pra passar por cima da gente!
– Nick, para essa moto, eu quero descer! Vamos, para agora! – Tarde demais. Eu fechei os olhos, o carro dela estava muito em cima, nós iríamos bater. Senti Nick frear tão bruscamente que a moto empinou um pouco, seria agora...
Adeus mundo cruel!
Ainda de olhos fechados e com as mãos seguras nos ferros da garupa da moto eu não senti impacto nenhum e nem nada, sem dor, sem machucados, será que morrer é assim?!
– O que deu na sua cabeça, sua louca?! Tá a fim de morrer?! – Ao invés do coro celestial eu ouvi os berros do Nick e uma porta batendo.
Será que eu fui um mau menino e acabei vindo parar no inferno?!
Abri meus olhos e vi que eu ainda estava sentado na moto e inteiro, o Nick estava arrastando a Miley para fora do carro... Ou o inferno era ainda pior do que eu pensava, ou o pior aconteceu: Eu ainda estou vivo!
– Ai... quê isso?! Que violência é essa, Nick?! Tá me machucando! – A garota reclamou um pouco, mas estava se acabando de tanto rir. - Ah qual é?! Vocês precisam admitir que foi divertido! – Pelo menos alguém aqui estava se divertindo, né?! – Vocês precisavam ver a cara de vocês... Muito hilário! – Ela riu mais da gente e na nossa cara!

- Então você achou aquilo divertido?! – Ele apertou ainda mais o pulso da garota, prendendo-a de tal forma que provavelmente deixaria marcas – Garota, você poderia ter se machucado de verdade hoje nessa sua brincadeirinha... E pra valer! – Olhou-a repreensor e a Miley apenas riu mais – Será que você não para pra pensar nas consequências dos seus atos?!
- Ham?! – Ela o encarou, totalmente confusa e perdida. Também, só o Nick pra achar que uma garota bêbada teria consciência do que quer que fosse.
- Não, eu não acredito nisso... – Ele murmurou mais pra si mesmo – Olha só pra mim já deu, Miley! Eu vou te dizer exatamente o que vai acontecer agora: Nós vamos pra casa! Você vai vir comigo e sem gracinhas porque eu não estou brincando, entendeu bem?! – Ele falou bem próximo ao rosto dela em um tom ríspido e autoritário.
- E você estava brincando antes? - Ela perguntou e eu vi o Nick fechar os olhos e balançar a cabeça em pleno sinal de frustração.
- Deixa pra lá... Vem, vamos! Ei Josh, pega! – Ele ponderou por alguns segundos e então me jogou uma chave, só que não era a chave do meu carro. Levou a Miley até o outro lado do veículo e a colocou sentadinha e bem presa com o cinto de segurança.
- Eu vou morrer sufocada desse jeito!- Ela retrucou
- Eu não acho que eu teria tanta sorte! – Ele rebateu
- Nick, você só pode estar brincando, né?! – Eu fui até ele para poder encara-lo – Quer mesmo que eu volte dirigindo aquilo?! – Apontei para a moto
- Ou isso, ou você pode voltar dirigindo o carro e levando a Miley! – Olhei para a moto e depois para a Miley, como que comparando...
- Quer saber, eu fico com a moto!
- Boa escolha! – Ele deu um tapinha em minhas costas e deu a volta no carro para ir pro lado do motorista.
- Nick solta isso, eu não consigo me mexer, eu mal consigo respirar!
- Ótimo, então está perfeito!
Nick entrou no carro e o ligou. Já eu coloquei o capacete, subi na moto e dei a partida. Eu nunca tinha pilotado uma dessas antes, mas não podia ser assim tão difícil.
Seguimos lado a lado pela estrada, voltando “finalmente” para o centro da cidade. Eu procurava ficar ligado na estrada, pois nunca se sabe o que pode acontecer, mas, de repente, algo desviou totalmente minha atenção...
- Uhuuuuuuuuuuuuuuuuu!! Liberdade! – Miley colocou-se, quase que metade do corpo, para fora da janela do carro e abriu os braços como se estivesse voando ou qualquer coisa parecida - Olha só pra mim, Jack, estou voando! Haha – Parece que ela pensou mesmo que estava no Titanic – E sem as mãos... Haha... Hey Josh, olha eu aqui! – Acenou pra mim e não que eu estivesse realmente pensando em acenar de volta, já que seria altamente perigoso soltar uma das mãos da direção, mas antes que eu pudesse fazer qualquer coisa Nick a puxou de volta pra dentro do carro e fechou a janela com o botão do lado do motorista.
E começou a maior confusão dentro daquele carro. O Nick tentou prende-la novamente com o cinto, mas a Miley não parava quieta e ele só tinha uma das mãos livres, a outra estava no volante.
A Miley com certeza não é nada fácil, o coitado do Nick já deveria estar chegando no limite...
Cinco segundos depois ele disse alguma coisa e ela finalmente ficou quieta.
Vá entender...
(...)
Paramos em frente à casa do Nick e ele desceu do carro, puto. Tirou a Miley lá de dentro logo em seguida.
- Anda, vem! – Ele abriu a porta e puxou a garota pelo braço.
- Ai nossa, pra que tudo isso heim?!
Eu desci da moto e me aproximei deles.
- Nick, eu acho que já vou indo... – Dei o meu melhor sorriso amarelo – Acho que já tive o suficiente por essa noite – Balancei a cabeça como se tivesse sido tudo muito inacreditável – e tudo que eu quero agora é ir pra casa, me jogar na cama e dormir pelas próximas – Olhei no relógio – cinco horas!
- Que isso cara, o mínimo que eu posso fazer pra te compensar por hoje é te dar o dia de folga amanhã!
- Não, mas amanhã nós temos que...
- Josh relaxa! Eu dou conta. – Ele disse. Seu olhar se direcionava a mim, mas ele continuava segurando a Miley pelo braço. – Ah e toma aqui, - Ele me devolveu as chaves do meu carro – é melhor você ir de carro. É mais seguro garantir que ele fique bem longe do alcance da Miley!
– Ei! – A garota fez um pequeno protesto.
- Então tá... Boa noite pra vocês! – Virei-me para entrar no meu carro.
- E Josh...- Nick falou e eu virei-me – Obrigado! – Ele falou meio sem jeito, mas pareceu realmente verdadeiro.
- Tchauzinho Josh! – A Miley acenou pra mim e quando o Nick não estava olhando, ela piscou... Ah essa garota! Isso foi muito, muito cruéelll!
Voltei pra casa pensando em todas as coisas que incríveis que eu vivi hoje à noite... Eu entrei numa briga, fui a uma festa badalada de Los Angeles como o irmão do Leonardo Di Caprio, estive num pega e ainda por cima fui paquerado por uma gata super sexy... Tá, ela tava um pouquinho bêbada, mas isso não muda os fatos, e modéstia à parte, eu fui demais! Merecia até ganhar um prêmio porque foi realmente muito difícil não ter qualquer tipo de “reação” com aquela mulher perfeita alí, me alisando todo e pedindo pra eu apagar o seu fogo.
Éh... Não se fazem mais amigos como eu!
Se bem que eu fiquei me sentindo um pouco duas caras por não ter contado ao Nick sobre a minha experiência HOT com a Miley, mas quer saber, acho que foi melhor assim, sabe o que dizem: O que os olhos não veem o coração não sente!
Esse seria o meu pequeno segredinho...

Narrado por Nicholas

Los Angeles, Califórnia, 01:20 AM (Horário Local) Apartamento do Nicholas.
Miley e eu estávamos parados na porta de entrada da minha casa.
- Essa é sua casa?! Cara, você deve ser rico! – Ela disse me olhando analiticamente.
- Éh, eu devo ser sim... Droga, eu acho que, acho que perdi as minhas chaves! – Disse enquanto procurava em cada um dos meus bolsos.
- Espera, deixa eu procurar pra você!
- Não, eu... – Mesmo contra a minha vontade, Miley começou a apalpar-me em busca das chaves e isso me deixou um pouco tenso. As mãos dela, apesar de desajeitadas por causa do estado deplorável, não perderam o jeito de me deixar... bem, vocês sabem como – Miley...Para!
 – Calminha, eu não mordo! – Ela piscou pra mim. Suas mãos estavam deslizando em regiões extremamente sensíveis. – Espera, tá aqui... – Ela tirou do bolso direito da minha calça e estendeu-me o pequeno molho de chaves com um sorrisinho bem convidativo nos lábios.
Sendo bastante sensato, eu apenas peguei as chaves de sua mão e me voltei para a porta tentando ignorar qualquer ideia louca que estivesse surgindo em minha mente com relação ao sorrisinho bastante sugestivo’ da Miley.
Abri a porta e nós dois entramos. Na verdade eu praticamente carreguei a Miley pra dentro porque ela mal conseguia ficar de pé. A casa estava parcialmente escura e a Miley ainda zonza por causa da bebedeira, então, enquanto vínhamos pra sala, ela acabou trombando com algum móvel.
– AAAII!! - Berrou
– Shhiu! – Pedi que ela fizesse silêncio.
– Vai fazer shhiu pra tua avó! – Esbravejou massageando o tornozelo.
– Fica quieta ou vai acordá-los! – Apontei para a Noah e Frankie que acabaram pegando no sono e dormindo no meu sofá - Devem ter ficado cansados de tanto esperar... – Balbuciei enquanto chegava mais perto.
*Imaginem que são a Noah e o Frankie

– Parece que esses pirralhos aí apagaram mesmo heim... – Ela disse olhando os dois. O Frankie tava deitado todo esparramado no sofá enquanto a Noah estava toda encolhidinha no colo dele – Olha só pra eles, parecem até dois filhotinhos fofos! Own*-* Eu quero apertar as bochechas deles!
- Uhum, é sim, é tudo muito fofo... – Bati na mão dela impedindo-a de apertar as bochechas do Frankie - Só não vai ser nada fofo ter que carregar eles lá pro quarto do Frankie! – Falei já me agachando um pouco para sacudir o Frankie - Frankie, Frankie acorda, vai dormir no seu quarto, anda! – Depois de sacudi-lo um pouco, o Frankie finalmente abriu os olhos. Ele provavelmente ainda estava totalmente inconsciente, mas se eu pelo menos conseguisse fazê-lo ficar de pé para ir nem que fosse zumbizando até o quarto dele já era alguma coisa; a Noah era levinha e as minhas costas agradeceriam se eu só tivesse que carregar ela.
A Miley, meio que mancando, foi até o outro sofá e se atirou nele, acho que deveria estar cansada, mas também depois de ter passado a noite inteira naquela festa bebendo e dançando daquele jeito tinha mesmo que estar.
- Nossa, os meus pés estão me matando! – Ela tagarelou enquanto eu ainda estava esperando o Frankie criar coragem de levantar. – Por que não larga eles aí e pronto?! - Éh, a sensibilidade dela é mesmo comovente!
- Não posso deixar duas crianças dormirem espremidas num sofá!
- E por que não?!
- Hora por quê  ... p-porquê são crianças e, e tem colunas sensíveis! – Inventei isso na hora - Se deixá-los dormindo aqui eles vão acordar doloridos amanhã – Peguei a Noah no meu colo e finalmente consegui fazer o Frankie desgrudar o traseiro daquele sofá.
- Aaaai! O meu tornozelo é que tá dolorido, isso sim... Aiiiii!
- Tá, eu vou ver gelo pra você colocar nisso depois, agora fica quietinha que é pra não acord... – Antes de eu terminar, os choramingos da Miley e a nossa tagarelice acabou despertando um pouco a Noah.
– ham ahnn... mas o que... Miles? – Assim que ela viu a irmã abriu um sorriso. A maluca da Miley jogou um beijinho pra ela enquanto acenava parecendo bem contente, não sei como isso se a menos de três segundos ela estava se queixando de dor, mas deixa quieto... Então, a garota focou os olhinhos espremidos pelo sono em mim – Sabia que você conseguiria, - Bocejou - obrigada! – Me deu um beijinho no rosto como agradecimento e se aconchegando em meu peito, voltou a fechar os olhos.
– De nada! – Sussurrei enquanto levava os dois para o quarto do Frankie. Coloquei-os deitados na cama e cobri com o edredom; respirei fundo antes de voltar para sala.
Assim que saí do quarto, passei pela sala e vi a Miley tentando massagear o tornozelo de qualquer jeito, por cima da bota mesmo. Lembrei que ela tinha tropeçado e podia estar realmente sentindo dor, então prossegui e fui direto pra cozinha pegar um pouco de gelo.
Fiz uma compressa com um guardanapo qualquer e gelo e voltei pra sala. Ela estava sentada toda desajeitada no sofá e parecia bem incomodada por causa do tornozelo batido. Eu sentei na mesinha de centro, bem de frente com ela e peguei sua perna machucada em minhas mãos. Delicadamente e devagar eu comecei a tirar aquela bota perigosamente alta que ela estava usando. Não sei como as mulheres conseguem usar essas coisas, deve ser até desconfortável usar um sapato tão alto assim, ainda mais pra dançar, mas como isso não vinha ao caso agora, apenas a retirei sem dizer nada.
A Miley fez uma careta engraçada de dor assim que eu passei ligeiramente a mão sobre o lugar avermelhado da batida.
- Ai, tá doendo! – Reclamou e eu apenas ignorei, colocando a compressa para amenizar a dor e também pra evitar que ficasse inchado – Aaaaai agora tá gelado! – Ela tentou tirar a minha mão, provavelmente o frio do gelo na compressa deveria estar incomodando um pouco, mas eu não deixei.
- Calma. Esse incômodo é só no começo depois adormece. – Eu disse e a Miley, não querendo ficar por baixo, tentou pegar a compressa da minha mão - Deixa que eu faço! – Disse impedindo-a de continuar. 
Mantive a compressa sobre o tornozelo dela durante uns minutos. Ela não parava de olhar para a minha mão segurando a compressa sobre o seu tornozelo.
 – Não tem com o que se preocupar. Isso aqui vai ajudar a desinchar e vai fazer a dor passar, Miles.
- E como é que você sabe? Você é médico por acaso?! – Me olhou desconfiada e então cruzou os braços em frente ao peito.
- Ahnn... Não, eu não sou. – Respondi e ela rolou os olhos – Mas sabe, eu gostaria de ter sido um médico. Eu acho que teria sido um bom médico! – Sorri e ela me olhou então desviou o olhar para minhas mãos novamente.
- Tem um jeito de a gente descobrir isso...  – Ela começou e eu a olhei – Vamos brincar de médico. – Ela sugeriu e isso realmente não veio em boa hora. Não que eu fosse o tipo de cara que sempre leva comentários “inocentes” pro outro lado, mas dessa vez era diferente; eu estava com a mão na perna dela, quer dizer, tecnicamente era no tornozelo, mas isso tanto faz. Eu olhei para aquela perna lizinha, a pele branquinha... E o que ela disse só me fez imaginar a gente brincando de médico pra valer no meu sofá!
- ...er.... – Eu fiquei com cara de idiota, sem saber o que dizer. Acho que um milhão de pensamentos indecorosos passaram em minha mente ao mesmo tempo.
- Tudo bem, eu vou ser a sua primeira paciente, doutor Jonas! – Ela meio que se deitou espreguiçada no sofá, parecendo bastante confortável agora. Olhou-me e mostrou aquele sorriso sacana que só serve pra me deixar ainda mais tenso – E então doutor, o que vai acontecer comigo? – Talvez eu estivesse vendo coisas aonde não existem, mas o jeito como ela falou soou tão sexy pra mim. Adorei principalmente o jeito como seus lábios proferiram as palavras doutor Jonas.
É, eu realmente deveria ter sido um médico!
Senti meu coração bater mais forte quando ela me encarou e seus olhos incrivelmente azuis se fixaram nos meus. Quando ela mordeu os lábios daquele jeito provocativo que só ela sabe, eu soube que era melhor parar por aqui...
- Você vai sobreviver! – Eu disse e coloquei a perna dela, delicadamente, sobre a mesinha de centro. – Ahn, agora você deixa assim mais um pouco, só pra garantir que não vai mesmo inchar, tá legal?! – Levantei-me e a Miley me olhou intrigada, como se não estivesse entendendo o porquê de eu estar fazendo isso – Olha, eu to indo lá arrumar o quarto de hóspedes pra você. Já tá tarde e eu acho melhor voe dormir aqui em casa essa noite, a Noah tá aqui mesmo e não é seguro você ficar sozinha lá na sua casa...
- Olha só, não esquenta, eu sei muito bem me cuidar, ok?! – Ela deixou a compressa de lado e pegou as botas, mas não se deu ao trabalho de calça-las, então ficou de pé – É claro que eu posso ir dormir na minha própria casa! – Deu uns dois passos cambaleantes em direção a porta da frente, antes de parar bem no meio do caminho – Escuta, pra que lado fica a minha casa mesmo heim?!
Eu sorri, já deveria esperar que ela não soubesse isso se mal sabia o próprio nome.
- Tá decidido, você fica! - Eu cheguei perto dela pra que ela pudesse se apoiar em mim e ela sorriu bobamente, do jeito que pessoas bêbadas sempre fazem. Reparei agora que descalça, a Miley estava bem mais baixa, mal chegava no meu ombro. Estava tão acostumado a vê-la em saltos altos e extravagantes que tinha até esquecido que na verdade, ela era baixinha.
- Tá então tá então eu fico!... – Por incrível que pareça ela concordou, embora não fizesse realmente diferença porque eu não a deixaria ir de qualquer forma. - Espera, eu fico aonde?! – Perguntou parecendo um pouco confusa.
- Você fica aqui, comigo! – Falei tentando ser o mais esclarecedor possível.
- Aqui... Com você? – Repetiu como se tentando entender
- É. Fica? – Pedi
- Tá... tá legal, eu fico! - Ela acenou com a cabeça rapidamente e só então eu me dei conta do quão perto estávamos.

- Er, vem, deixa eu te ajudar! - Endireitei-me ao seu lado e fiz ela passar o braço esquerdo em volta do meu pescoço, enquanto eu segurava em suas costas para apoia-la e não deixá-la cair.
Levei a Miley pro quarto de hóspedes que ficava bem ao lado do meu. Assim que entramos, eu a deixei parada perto da entrada do quarto e fui ver uma roupa de cama limpa e cobertores para ela poder passar a noite.
- Nossa, esse quarto é enorme! E olha só essa cama, parece até aquelas camas daqueles hotéis chiques! – A ouvi falar e nem deu tempo de dizer alguma coisa antes dela se atirar na cama, bagunçando os lençóis. - Cara, que máximo! – Eu ainda estava mexendo no guarda roupa quando ouvi uns barulhos como que de alguma coisa quicando e só então virei-me pra ver o que era e eis a Miley usando o colchão como cama elástica – Uhuuuuulll! Isso é demais!
- Miley, Miley para com isso, desce daí, anda! – Resmunguei.
-Nãããão!
- Você pode se machucar! – Avisei – E o seu tornozelo?
- Já tá bem melhor! – Ela berrou – Você é um ótimo médico, doutor Jonas! – Ela parecia realmente estar se divertindo então eu a deixei continuar enquanto eu pegava os lençóis e travesseiros – Nick, porque você não vem também? Isso aqui é demais!
- Obrigado, mas não. Eu não tenho idade pra ficar fazendo essas coisas, aliás, nós dois não temos mais idade, por isso vem cá! – Eu estendi meus braços em sua direção pra poder tirá-la da cama.
- Você é um chato, sabia?! – Ela resmungou. Mesmo contrariada ela parou e veio em minha direção, eu segurei em sua cintura e a coloquei no chão, em segurança. – Nossa, eu nunca tinha reparado como o seu braço é forte! – Eu sei, às vezes eu também fico impressionado com a capacidade dela de mudar completamente de assunto tão rápido.
Confesso que fiquei bastante desconcertado com o “elogio” e mais ainda quando suas mãos deslizaram pelos meus braços alisando os meus músculos. E ela sabendo bem o que estava provocando em mim, sorriu, sendo bastante provocativa e mordeu o lábio inferior.
Por alguns instantes eu perdi a linha de raciocínio, sentindo o sangue em minhas veias correr em uma velocidade absurda. Eu sabia o que ela estava tentando fazer, eu conhecia esse sorriso, sabia ler esse olhar... E por receio ou pura covardia, pode chamar do que quiser, eu apenas me desvencilhei dela, mantendo novamente uma distancia segura de uns dois passos entre nós.
- Olha só, você, você pode ficar... à vontade aqui. – Falei tentando me esquivar do seu olhar – Eu acho que... Eu vou pro meu quarto agora. Boa noite!
Eu saí daquele quarto imediatamente, praticamente em disparada. Não quero nem pensar na merda que eu iria acabar fazendo se tivesse ficado lá por mais tempo.
Voltei pro meu quarto e assim que entrei aliviei-me do peso daquela camisa, ainda um pouco úmida por causa da queda na piscina, no meu corpo. Não demorei a dar o mesmo destino aos sapatos, meias e a calça.
*Quarto do Nick

Eu me joguei na cama, talvez eu só precisasse descansar, sei lá, dormir um pouco ou só tentar relaxar, mas acontece que agora eu só não conseguia tirar a Miley da minha mente. Eu fechava os olhos e as imagens de hoje à noite, dela, voltavam em flashbacks; Lá na festa, ela dançando, rebolando daquele jeito que me deixa louco... Ela me apalpando atrás das chaves, suas mãos delicadas subindo e descendo pelas minhas coxas, me fazendo soar frio a cada simples deslize... Agora a pouco, lá no outro quarto, ela me alisando, tentando me provocar e eu quase caindo no seu jogo feito um patinho... Eu levantei, comecei a andar de um lado pro outro do quarto. Eu queria conseguir tirar essas coisas da minha cabeça, queria tirar “ela” da cabeça, mas qualquer tentativa disso era inútil, quanto mais eu tentava não pensar mais os meus pensamentos voltavam para os olhos dela nos meus olhos, aquele sorrisinho travesso, ela mordendo os lábios...
E o pior de tudo era saber que ela estava no quarto ao lado, a menos de uns poucos metros de distancia, Tão perto... E eu aqui, nesse dilema, sozinho.
Decidi ir tomar um banho, então, antes de entrar no banheiro eu fui até o closet procurar alguma roupa que eu pudesse usar pra dormir. Acabei pensando na Miley novamente, talvez ela também quisesse tomar um banho e colocar uma roupa confortável. No quarto de hospedes não deveria ter roupas que ela pudesse trocar e do jeito como está esse tempo de Los Angeles, à noite provavelmente só vai ficar cada vez mais fria e as roupas da Miley definitivamente não iriam poder mantê-la aquecida. Peguei uma camisa minha, uma social qualquer que julguei ser confortável para ela poder passar noite. Optei pelo meu pijama tradicional, camisa de meia e calça de moletom, então me vesti rapidamente e peguei a camisa que eu tinha separado. Saí do meu quarto em direção ao quarto de hospedes para deixar a camisa lá, para a Miley.
Não sei por que não me ocorreu que eu deveria ter batido na porta antes de simplesmente abri-la; mas foi somente quando eu girei a maçaneta e abri um pouco a porta do quarto, dando de cara com a Miley começando a tirar a roupa, que me dei conta disso.
Seus cabelos estavam presos em um coque e ela parecia tão distraída que nem notou a minha presença ali. Eu sei, eu deveria dar meia volta, ou pelo menos fazer algum tipo de anuncio de que eu estava parado na porta do quarto, mas não consegui. Sabe aquele tipo de situação em que você sabe o que é o certo a fazer, mas mesmo assim quer fazer o errado?!
Senti-me paralisado quando a vi colocar as mãos sobre o cós de sua saia. Não vou mentir, fiquei esperando ansioso que ela tirasse aquela peça de roupa e foi exatamente o que ela fez, espremi um pouco os olhos, acho que me sentindo inconscientemente culpado enquanto a peca ia deslizando pelo seu corpo. Ela usava uma calcinha no modelo de um shortinho de rendas, preta. Não pude evitar desejar de uma maneira bastante obscena que fossem as minhas mãos que percorressem o seu corpo pra tirar aquela peça, em especial.
Mordi os lábios engolindo um gemido abafado quando a Miley colocou as mãos sobre o busto, desatando o nó no decote do espartilho. Fiquei meio bobo, olhando-a de cima a baixo, ela é mesmo perfeita e tão linda que chega a doer às vezes... Quando a última peça que a vestia foi ao chão eu encostei a porta novamente.
O que mais eu poderia fazer?! Invadir o quarto e toma-la em meus braços, joga-la na cama e fazer amor com ela?!
SIM!
Quer dizer, NÃO!
Ou melhor, não sei...
É claro que eu a desejo, e muito...
Só que eu não posso! Seria errado. Ela tá bêbada e não no seu juízo perfeito...
Droga!
Encostei-me na parede do corredor totalmente frustrado, corri meus dedos pelos meus cabelos me sentindo acuado, afinal que tipo de homem eu sou?!
Eu fechei a porta, eu fiz a coisa certa, então porque a minha vontade era de entrar dentro daquele quarto e fazer a coisa errada durante todo o resto da noite?!
– Nick?! – Meu coração deu um sobressalto quando eu ouvi essa voz. Olhei para o lado e a vi, apenas coberta com uma toalha de banho branca. Acho que o que essa garota estava fazendo comigo essa noite era algum tipo de tortura psicológica, só pode! E como se ela soubesse exatamente o que eu estava pensando, sorriu – Eu estava indo te procurar. Preciso que me empreste uma roupa seca e... Ah, olha só, você já trouxe! – Ela pegou a camisa em minhas mãos dando alguns passos desnecessários em minha direção. Sim, digo desnecessários porque já estávamos próximos e toda essa proximidade era perigosa demais. Tive que usar todo meu autocontrole para não mandar tudo pro espaço e avançar nela, pra apenas fazer com ela o que eu estava morrendo de vontade de fazer a tempos – Obrigada! - Sem saber dos meus dilemas interiores e com a camisa nas mãos, a Miley virou-se e entrou no quarto de hospedes outra vez.
Eu estava com problemas... E problemas sérios!
Eu vou dizer qual é o meu maior problema... O meu maior problema é exatamente o que, ironicamente, deveria ser a solução de todos eles!
Miley!
Entendam: Ela ficou a noite inteira se insinuando e jogando charminho, pequenas indiretas pra cima de mim e agora a garota tava no quarto ao lado do meu, bêbada, NUA e completamente vulnerável...
PORRA, EU SOU HOMEM!
E ela teve a “brilhante” ideia de vir me procurar justo só de toalha... Ela tá achando que eu sou feito do que? De ferro?!
Eu fui até a porta do quarto de hóspedes, acho que eu não tava nem raciocinando direito mais. Pensei em bater, pensei em só entrar... Respirei fundo.
Suspirei, sacudindo a cabeça, tentando voltar a minha realidade e desistir dessa ideia sem cabimento. Eu não podia mesmo estar cogitado a possibilidade de levar a Miley pra cama. A garota tá pra lá de Bagdá; fazer isso não seria só errado, seria covardia! Ela nem sabe direito onde está, ou quem eu sou...
Mudei de rumo, voltei pro meu quarto. Eu estava agoniado, precisava fazer alguma coisa pra aliviar a tensão ou acabaria explodindo!
- Eu to precisando mesmo de um banho, e gelado!  – Falei pra mim mesmo e segui direto pro banheiro.
(...)
Já estava debaixo daquele chuveiro há pelo menos dez minutos e nada de toda aquela “tensão” passar, muito pelo contrário, parecia até estar aumentando a cada milésimo de segundo em que o meu subconsciente formava pensamentos involuntários e indecorosos sobre ela.
Eu não tava conseguindo controlar mais o meu desejo, até tentava lutar contra uns delírios loucos que a minha imaginação bastante fértil misturada a minha “vontade” estavam criando...
Ela vinha provocante, entrava no banheiro e invadia o boxe sem se importar, completamente nua e absolutamente linda. Chegava perto, passava as mãos pelo meu peito em uma carícia tentadora e mordia os lábios indicando que também queria aquilo tanto quanto eu quero. Em resposta eu, imediatamente, passava as mãos em volta da cintura dela, trazendo-a pra mais perto, e a beijava ferozmente enquanto ela encravava as unhas na minha pele e puxava o meu cabelo, bem rente nuca, me enlouquecendo ainda mais.
*Imaginem o Nick e a Miley.

   Aí então eu decido colar ainda mais nossos corpos e a puxo pra mim de maneira que a obrigo a prender as pernas em volta do meu quadril.
Com maiores expectativas de continuar avançando nossas carícias, eu a recosto contra a parede. Nossos corpos roçando um no outro, molhados.
Eu já nãos sabia mais distinguir o real do irreal... do surreal;
Nossas respirações descompassadas. Os corações batendo acelerados. O sangue correndo em cada uma das minhas veias misturado com a adrenalina e todo o desejo, fazendo eu me sentir tão... Excitado.
Merda... Agora o que eu ia fazer pra isso passar?!
Pensei em alguma coisa e então não pensei em mais nada; Olhei para os lados só pra confirmar que eu estava realmente sozinho antes de levar uma de minhas mãos para o meu amigo lá de baixo. Tentava me aliviar de toda a tensão enquanto deixava os meus pensamentos devanearem cada detalhe daquele corpo; o corpo “dela”.
Sinceramente, eu não tava nem um pouco orgulhoso do que eu estava fazendo e muito menos esse simples toque iria conseguir me satisfazer, mas eu não tinha lá muita escolha agora. Era isso ou sair daqui e cometer um estupro!
Eu tava no fundo do poço!
E era tudo culpa dela!
É nisso que dá trazer a Miley pra casa...
Eu obviamente não era o tipo de cara que recorria muito a esses métodos, na verdade acho que poucas foram às vezes em que eu precisei de uma “mãozinha”...
O quê? Eu tenho uma ótima vida sexual e não preciso disso, tá legal?!
Mas a essa altura qualquer alívio pareceria bom o bastante.
(...)
Saí do banheiro um pouco menos estressado do que entrei, mas eu definitivamente não estava me sentindo satisfeito, embora eu até estivesse me sentindo um pouco cansado e sonolento...
Cara, imaginar é muito mais cansativo do que fazer de verdade! Sério!
Eu estava ligeiramente distraído quando voltei pro quarto, mas foi impossível não notar um elemento a mais e que terminantemente, não fazia parte da minha decoração.
- Miley?! – Perguntei um pouco surpreso. Ela estava do outro lado do quarto, olhando os meus quadros, tocando alguns objetos.
Assim que ouviu o seu nome, ela virou-se e veio andando, sensualmente, em minha direção.
- Oi – Parecia uma visão; ela tava tão sexy vestida na minha camisa, alguns botões desabotoados, nada demais, apenas o suficiente pra me fazer imaginar se a camisa era tudo que estava cobrindo seu belo corpo. Ela fica tão linda de vermelho, tanto quanto o céu fica de azul.
-... O que é que você tá fazendo aqui?! – Ela chegou perto e eu tive que me esquivar, eu não tinha outra escolha. Isso aqui já tá parecendo até um filme de terror, no qual eu sou o mocinho e pra onde o mocinho está eis que lá surge o assassino... Assassino vulgo Miley.
- Ué, foi você que me pediu pra ficar, já esqueceu?– Ela chegou mais perto me olhando nos olhos. – E eu tava muito entediada lá no outro quarto... – Ela deu mais uma olhada ao redor – Tava dando uma olhada nas suas coisas, esse quarto, é bem maneiro! – Ela andou um pouco pelo quarto, mexeu em alguns objetos.
Parou diante da minha parede com alguns prêmios musicais.
– Olha só, essa aqui sou eu! – Ela sorriu ao ver uma foto antiga nossa em um dos prêmios emoldurados na parede. Na foto estávamos eu e os meus irmãos e a Miley vestida como Hannah Montana. – Eu não acredito que você ainda tem isso!

*Essa é a foto

- Ah é! – Eu concordei me aproximando – Eu nem lembrava mais desse... Foi o nosso primeiro prêmio.
*Imaginem que são os dois, a Miley e o Nick, olhando a foto

- Cara, eu tava ridícula... Olha só pra isso, eu não sei como concordava em eles me vestirem desse jeito! – Ela reclamou – Se bem que na época eu achava fofo!
- Era fofo. Você era praticamente um arco-íris ambulante! – Falei e nós dois rimos.
*Novamente, imaginem a Miley e o Nick.

- Ah qual é, a Hannah era muito diva!
- Isso ela era mesmo! – Rolei os olhos e ela me deu um tapinha no ombro.
- E olha só os garotos! O Kev, e olha o cabelo do Joe, vou te contar um segredo, eu babava no cabelo do Joe nessa época! – Riu – E olha só você, com os cachinhos, parecia um anjinho.
- Eu parecia um otário, isso sim! – Resmunguei – Agora eu entendo por que os caras diziam que eu parecia ser o filhinho da mamãe!
- Eu gostava!
- Eu tinha cara de palerma com esse cabelo!
- Você mudou o cabelo e não a cara!  - Eu vi um sorrisinho sínico repuxando nos cantos dos lábios dela, mas fiquei calado.
- Eu gostava mais do seu cabelo comprido. – Eu falei tocando, levemente, em algumas mechas do cabelo dela.
- Eu estava me sentindo diferente e quis ficar diferente por fora também, acabei cortando... Você não gostou? – Me olhou enquanto deslizava os dedos por alguns dos fios
- Não é bem isso, é só que, eu gostava mais de como era. Mas na verdade esse ficou bem bonito também... Você sabe, qualquer coisa fica bonita em você por que você é bonita! – Eu tive um pouco de dificuldade pra dizer, é verdade. Às vezes a Miley faz eu me sentir como um adolescente apaixonado, bobo e nervoso.
- Obrigada! – Ela disse rindo e então voltou sua atenção ao quarto novamente. Eu fiquei me perguntando se eu tinha dito alguma coisa errada. – Escuta, o que aconteceu com vocês? Digo, você, Joe e Kevin, a banda, por que não estão mais tocando juntos? – O foco da minha atenção foi finalmente mudado quando assimilei essa pergunta.
Eu não tinha tido mais que pensar nisso durante algum tempo. Os caras pareciam felizes fazendo suas próprias vidas, meus irmãos já tinham família e até os nossos fãs tinham deixado de perguntar o motivo, então, eu não soube como responder isso.
- Ah... Foi uma bobagem sem importância... – Eu sorri sem graça – Mas agora isso é passado e já tá tudo bem, nós estamos todos bem.
A verdade é que eu não queria falar disso, não queria ter que contar a ela agora que a banda só tinha acabado de vez por que eu tinha sido um egoísta. Ela já tinha motivos o suficiente pra não gostar de mim, eu não precisava dar mais um.
- Olha, eu sei que não é da minha conta, mas, sabe, vocês deviam voltar a tocar juntos um dia desses. É, você e os caras, fazer um show e tocar as músicas mais legais. Eu iria ver! – Ela me olhou e sorriu, eu sorri de volta.
- Quem sabe... – Murmurei pensando um pouco nisso que ela falou. Talvez a gente pudesse tentar de novo, quem sabe se eu falasse com os caras eles não fossem voltar atrás... É, eu iria fazer isso! Mas antes, eu tinha que fazer uma outra coisa... – Miley, você gostaria de ouvir uma das minhas músicas novas? – Perguntei e ela me olhou um pouco surpresa, mas concordou logo em seguida.
Eu peguei meu violão, que estava recostado ali perto de um pequeno sofá que eu tinha no quarto e a Miley sentou-se, me olhando atentamente.
A inspiração pra essa música veio durante o voo para Los Angeles que eu e a Miley fizemos juntos, logo depois daquela noite que passamos num hotel em Fênix, uns dias antes do casamento da Demi. Nós viajamos juntos e a Miley acabou pegando no sono e enquanto ela dormia no meu colo eu fiquei pensando sobre nós e sobre como seriam as coisas agora e então eu escrevi a letra dessa música, até anotei alguns acordes que eu sabia que se encaixariam perfeitamente nela.
O que houve depois disso é só o que eu queria poder esquecer. De novo nós não ficamos juntos, a Miley foi com o “noivo” pra Austrália e dessa vez eu soube que tinha realmente a perdido. Eu não pude mostrar essa música antes pra ela e agora eu não gostaria de perder o que talvez seja a única oportunidade que eu vou ter de fazer isso.
- Essa música é mais que especial pra mim, ela, ela é... Real! Espero que goste!
- Como se chama? – Perguntou
- My Love. – Olhei em seus olhos e por um instante esqueci de todo o resto, éramos apenas nós dois no mundo.
Dedilhei os primeiros acordes da introdução da música.
I wanna write you a love song
 (Eu quis escrever pra você uma canção de amor)
And i wanna whisper in your ear
(E sussurrá-la em seu ouvido)
I wanna be the right, when it's wrong
(Eu queria ser o certo quando tudo estivesse errado)
I wanna take away your fear
(E nunca te deixar sentir medo)
I need to hold you in my arms
(Eu preciso te segurar em meus braços)
I need to feel you close
(Eu preciso te sentir perto)
Who knows exactly where, were going?
(Quem sabe exatamente pra onde estamos indo?)
But I'm ready to go down this road
(Mas estou pronto pra ir por este caminho)
With you
(Com você)
With you
(Com Você)
It's true
(É verdade)
It's true
(É verdade)
My Love
(Meu amor)

*Ignorem essa haste/pedestal para microfone.

Eu estava concentrado nos últimos acordes, mas desviei meus olhos rapidamente e pude perceber que a Miley esboçava um sorriso.
Olhei bem no fundo de seus olhos; pode parecer meio estranho, mas quando eu estou cantando eu consigo ser bem mais ousado. É que a musica sai com bem mais naturalidade de dentro de mim, até mais do que as próprias palavras. Falar de sentimentos, às vezes, é complicado pra mim. Cantar sobre eles não.
De alguma forma, eu sabia que se tinha algum jeito de chegar outra vez até o coração da Miley, então, era assim; com uma música. Eu não estava apenas cantando, eu tava colocando tudo pra fora, dizendo pra ela o que eu queria ter dito antes, naquela época.
Eu não sei como seria se nós tivéssemos ficado juntos, mas eu sei que eu gostaria de ter tentado, de ter lutado pra ficar com ela...
Quando a música acabou eu fiquei calado, eu não sabia ao certo o que dizer, e nem se deveria dizer alguma coisa. Era um pouco complicado pensar que eu sempre imaginei como seria esse momento, com ela aqui novamente e nós dois sozinhos... Isso é com certeza bastante diferente do que eu pensava, mas é ao mesmo tempo, sei lá, perfeito.
Ela levantou-se do sofá sem dizer nada, e eu não entendi muita coisa. Ela veio até mim e me olhou nos olhos tirou o violão das minhas mãos agilmente, e o jogou no sofá e então, eu nem sei bem como, quando dei por mim nossos lábios já estavam colados um no outro e estávamos nos beijando.


Era um beijo avassalador. Minhas mãos automaticamente capturaram sua cintura a arrastando pra mais perto. Queria tocá-la, senti-la; só Deus sabe como eu tava sentindo falta dela, desse calor, do cheiro, do gosto. Estava tão imerso que nem conseguia pensar em mais nada que não fossem os lábios dela encaixando-se perfeitamente nos meus e em como eu não queria que isso parasse.
*Novamente, imaginem os dois

- Eu adorei, de verdade, a sua música! – Ela parou de me beijar por um instante pra dizer isso e eu quase enlouqueci, agora não poderia mais parar de beijá-la nem que eu quisesse, e eu não queria.

* E mais uma vez

- Que bom... que bom que gostou! – A beijei de novo, ainda mais intensamente dessa vez. Minhas mãos deslizavam em sua cintura e costas enquanto as delas estavam emaranhadas em meus cabelos, acariciando e até puxando um pouco. – Por que... É sobre você!

Meu coração estava batendo inacreditavelmente forte, cada célula do meu corpo a desejava, como nunca antes...

Continua....

N/A: Gente eu sinto muito pela maior demora que eu já fiz pra postar um capítulo, mas aqui está! Postado! Ultimamente eu to muito sem tempo e não sei quando poderei postar novamente e espero que compreendam e não abandonem a fic, é provável que nas férias eu possa recompensar vocês por toda essa demora... No mais, é isso. Até a próxima!
Bjsssssssss

32 comentários:

  1. Simplesmente perfeito! Finalmente eles cederam <3

    ResponderExcluir
  2. PERFEEEEEEEEEITO.... houve algumas mudancinhas nesse tbm né? eu lembro de uma parte da miley e o nick na moto. mas enfim. ta perfeeeito. aguardo os proximos hahaha posta logo por favor. essa espera toda enlouquece os leitores kkkkk
    by: -l.e.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, eu mudei algumas coisas por que eu achei necessário. Acabei pensando em um novo desfecho para essa história então precisava fazer algumas modificações...
      obrigada por ler!
      Bjsss

      Excluir
  3. Aaaaaaaaaaaaaaaaa melhor capitulo de todosss *0* eu juroo que pensei que o beijo não iria rolar, ai do nada PAM eles se pagam desse jeito, veioooo eu pirei esse capitulooo foi saudade e amor tudo misturado tudo perfeito e o Nick um perfeito cavaleiro amando ela e não querendo se aproveitar dela as vezes eu até pensava nele acabando agarrando elaa mas ela tomando a iniciativa foii bem melhoor kkk o josh tem que conta o segredinho pro Nick ein, por favor não demora não pra postar o proxiiimoo *o* eu quero ver a continuuaçãoo dissso... se não eu piro... pfv pfv pfv bjossss sah linda :D

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. own *-* que bom que vc gostou!
      Eu queria que todo mundo ficasse na expectativa pelo beijo e pelo visto deu certo! O Nick como sempre um príncipe daqueles saídos de contos de fadas, leia-se eu suspirando aqui.
      Postei mais um há uns dias, o próximo só em janeiro!
      Bjsss

      Excluir
  4. aaaaaaaaaaaaa perfeito.

    ResponderExcluir
  5. Primeiramente, bem feito pro Liam! Chora mesmo, desgraça! Você nunca vai merecer a Miley u.u Falo mesmo! Kkkkkk Ele não merece nem a companhia da biscate da Delta.
    Enfim, você sabe como eu AMO esse capítulo! E a Miley doidona ta uma figura! Kkkkkkk Ah, eu não cheguei a perguntar por que você fez (outras) pequenas mudanças?
    Essa nova versão ta ótima! Gente, os gifs dos beijos ficaram vida na cena! E o Nick cantando pra ela também foi muito lindinho! *-* Tomara que a Miley quando estiver sóbria lembre desses momentos!
    Posta logooooo! To doida pra ler os próximos capítulos, porque eu sei que só vão melhorar a partir de agora! ♥
    Obs: eu morri de rir com o Josh! O coitado sofre na mão desses dois! Acho que ele merece uma namoradinha. Ele é tão bonzinho que chega a dar peninha! Kkkkkk
    Ta muito bom!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Coitado do Liam, até eu senti pena do coitado agora... MENTIRA!!! é bem feito mesmo u.u
      Fiz algumas mudancinhas sim porque eu sou muito chata, nunca nada ta bom pra mim, vc sabe... É o que dá ficar lendo um monte de livros e fanfics de escritores maravilhosos, a gente fica se sentindo um lixo depois =S mas um dia eu chego lá!
      A musica que o Nick cantou pra ela é uma das minhas favoritas, tava na duvida entre ela e hello beautiful mas no final essa venceu porque ela me faz lembrar da primeira temporada.
      E vamos lançar a campanha UMA NAMORADA PRO JOSH, se não tivesse o meu príncipe Nick Jonas nessa fic eu me candidataria, sério, o Josh é tudo de bom!
      Bjsssss

      Excluir
  6. Perfeitoooo!!
    Hahah o Josh, ele converteza deveria contar o segredinho
    Capitulo mais que perfeitoooo
    Não demora muito pra postar por favor!!
    POSTA LOGO!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que o Josh iria preferir morrer mudo a contar o segredinho para o Nick...
      Que bom que gostou, flor!
      Bjssss

      Excluir
  7. Posta logo? kkkk eu ja comentei mas voltei. estou muito curiossa u.u kkkk'

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu postei, estou só sentindo falta do seu comentário!
      Bjsss

      Excluir
  8. Pode divulgar? É o blog de uma amiga, ela tinha colocado ele em hiatus e agora ta voltando!
    http://jemionelove.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na próxima postagem eu divulgo sim!
      Bjssss e boa sorte com o blog!

      Excluir
  9. continua leitora nova, e estou amandooooooooo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem vinda!
      Muito obrigada por ler!
      Postado!
      Bjsss

      Excluir
  10. SCRR MDS EU TE ACHEI SCRR É VC MDS N ACREDITO. Antes que me chame de maluca vou te explicar huahsuhau eu era uma das suas leitoras lá do nyah e depois que apagaram a fic eu meio que fiquei deprimida pois não ia saber o que acontece no final MAS EU TE ACHEI AHUSHUAHU *---* COMO EU AMO A SUA FIC NÃO PARE COM ELA NUNCA OKAY? OKAY. Pode me falar o que aconteceu com a outra fic que vc tinha? A "my favorite girl" eu acho eu quero muito muito saber o final. Tipo me disseram que você terminou ela antes que o nyah apagasse. Se for verdade pode me mandar os últimos cap pfvr pfvr eu tmb amava aquela fic <333 Enfim é isso HAUHUSHUA AI TO FELIZ HAUHUSHAUHU (n eu n sou louca ... bem só um pouquinho huahushuah )

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu também estou muito feliz! Como é bom ter de volta uma das leitoras lá do Nyah! Não se preocupe, eu não vou parar antes do fim OKAY! e olha só, a Minha garota favorita foi toda postada no Nyah, mas eu estou com planos de reposta-la aqui no blog, tenho leitoras que não conseguiram ler tudo assim como vc e eu vou postar a versão completa, de fanfic mesmo e não de minific então vai ter novidades também!
      Espero que vc continue acompanhando até o fim!
      Bjsss

      Excluir
  11. cade vc ????????????????????? ;((((((((((((((((

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui! rsrs Sorry pela demora...
      Mas o outro capítulo compensa! JURO!
      Bjsss

      Excluir
  12. esta demorando muito pra postar :c estou até relendo tudo denovo aushauhsau

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. KKKK eu ri, obrigada pela compreensão!
      Postado!
      Bjsss

      Excluir
  13. Amy. Tem um mês q vc sumiu :( bye. L.e

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi mal, to de recuperação numa materia da facul e to tendo que estudar pra caramba... Desculpe fazer vc esperar!
      Bjsss

      Excluir
  14. posta logo, nao abandona a fic nao :c

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não vou abandonar, não mesmo!
      Postado!
      Bjsss

      Excluir